Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Crônicas de Esquina 10 ( Caro Augusto )

Caro Augusto:

Desculpas à parte, permita-me dirigir-lhe algumas palavras à guisa de protesto. Tenho quase a certeza de que os motivos que me levaram à crônica sejam mesmo uma espécie de sentimento coletivo compartilhado por todos aqueles que, dia após dia, pagam-lhe uma espécie de dízimo que lhe engorda o cofre, apesar das costumeiras reclamações.
 Mas vamos aos fatos. Não é de bom alvitre, meu caro gajo, relegar-nos à condição de órfãos em pleno carnaval. Afinal, a ordem do Rei, submetendo-nos a idas e vindas por conta de bandas improvisadas, acrescenta-nos uma cota extra de sede. E como esta precisa ser morta, somos obrigados a vagar por aí, como aqueles que se perdem num deserto de raros oásis. Dirá você que exagero. Pode ser, mas quem começou? Acaso não é um grande exagero cerrar as portas do venerável bar sem consulta prévia aos seus não menos veneráveis usuários? Como dependentes químico-emocionais dessa esquina, longe dela caminhamos trôpegos como os coxos.
 Antes que me diga, sei dos inúmeros bares que se escancaram e vendem – às vezes mais barato – os mesmos produtos que o seu. Mas, convenhamos, não é a mesma coisa. Onde estará o Luiz com seu mau-humor de mentirinha? E o Pontes, sempre solícito? Onde encontrar o atrapalhado Zé e o espaçoso Chico, esse Salles reinventado? Como ouvir a hecatombe de palavrões do Tuninho e o silêncio sepulcral do Ramos? E mais: com quem discutir por conta de uma cerveja mal comandada, mas que exige ser paga, ainda que outra vez? Não. Não é justo, dileto amigo. Mesmo em mesas outras, reclamamos por nosso espaço. Fora dele, somos quase estrangeiros. Além disso, responda-me: quem, em pleno gozo de um juízo perfeito, aturaria o Beça, Menudo, Tunico, Serginhos, o Bira com suas brincadeiras de 0800, a purrinha do Athayde e a apropriação indébita de pequenos petiscos que o Manoel tanto aprecia?
 O fechamento do bar durante as festas momescas teve requintes de crueldade. Eu juro que vi o Vitório sentado no meio-fio chorando feito criança abandonada. De minha parte, fui mesmo mal-educado deixando de cumprimentar o seu Carlinhos só porque não o reconheci sentado em outro bar. E você, augusto patrício, é o único culpado. Foi você, nobre galego, quem submeteu à clausura – mantido a pão e água – nosso amigo Sérgio Rosa. Em sua lusa maldade, deixou o pobre Edinho entregue à própria sorte, um quase peregrino pelas ruas de Vila Isabel. Agora mesmo, quando preciso encerrar a crônica para comprar cigarros, terei que deparar com o peso de uma esquina vazia, sem sueca e sem purrinha. Ora, francamente, seu Augustinho, que papelão, hein?

                                                                         Chateadamente, subscrevo-me

                                                                                   Aldo Guerra
Aldo Guerra
Enviado por Aldo Guerra em 04/03/2006
Código do texto: T118629
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aldo Guerra
Rio das Ostras - Rio de Janeiro - Brasil, 60 anos
296 textos (26095 leituras)
3 áudios (490 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 12:43)
Aldo Guerra