Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O que esperar do Brasil?

   Estamos no século XXI. Inserido em um mundo globalizado, o Brasil continua a ser pensado como um país do futuro. De fato, se atentarmos para alguns fatores, já até poderíamos ser um país do presente. Temos território extenso, clima tropical favorável, recursos naturais e diversos outros fatores que deveriam proporcionar ao país uma condição social mais decente.
   Cabe, então, perguntar por que ainda nos encontramos em tal estágio de subdesenvolvimento, que muitos modernamente querem apelidar de "país em desenvolvimento" ou "país emergente". Ao pé da letra, todo país está em desenvolvimento, por mais baixa que possa ser a taxa adotada para a avaliação. Mas, na verdade, somos, como um todo, um país subdesenvolvido. Se considerarmos as condições de educação, saúde, saneamento, abismo sócio-econômico, etc., ou o chamado IDH, verificamos que o Brasil está longe de alcançar uma posição de destaque no concerto das nações.
   Podemos arrolar, para efeito de discussão, diversas causas que poderiam explicar a razão da nossa dificuldade em romper as barreiras do subdesenvolvimento. Em primeiro lugar, a questão da educação. Penso que deve haver quase que uma unanimidade em relação a esse ponto. Jamais houve um plano de governo sério e profundo para atacar o problema. E teria que ser um plano a ser cumprido à risca, qualquer que fosse a cor partidária a assumir o governo. Não é difícil elaborar um plano de educação de longa duração. Apenas é necessário que se priorize a questão de forma absoluta.
   É claro que os resultados de um plano como esse irão surgir a longo prazo, talvez umas duas gerações para se alcançar um nível satisfatório. Há no país alguém capaz de pensar e dar início a um programa de tal envergadura?
   Simultaneamente, há que ser concebido um programa de saúde pública de qualidade. Ambos os programas, educação e saúde, terão que ser abraçados com obsessão. Seja lá qual for o governo em um determinado momento da história. Essas questões não deveriam ficar a mercê da vontade ocasional de um governo. Têm que ser tratadas como compromissos de Estado.
   Portando, ficando a saúde como ítem número dois, o número três seria o investimento em infra-estrutura, aí abrangendo o sistema de transportes (rodoviário, ferroviário, aéreo e fluvial),
portos bem equipados, energias básica e alternativas. Tais investimentos poderiam contar com parcerias privadas, desde que bem avaliadas.
   Com os tres pontos citados (educação, saúde, infra-estrutura) sendo incrementados de modo a merecerem credibilidade,o país teria boas condições para atrair investimentos de terceiros. Aí, sim, tiraríamos proveito das potencialidades naturais que o Brasil tem e que foram mencionadas no início.
   Alguém poderá argumentar que isso é o óbvio, mas faltam recursos. É o óbvio mesmo e é preciso fazer o óbvio. Então ficamos na questão dos recursos. Já podemos dizer que estamos livres da dívida externa, praticamente. A dívida interna já passa de um trilhão de reais. Com uma taxa SELIC de 16% ao ano, só os juros consomem 160 bilhões anuais. Logo, como o pagamento dessa dívida é impraticável, pelo contrário, só tende a aumentar, é necessário um plano austero de governo, no que concerne às finanças públicas. Não aumentando a carga tributária como se tem feito, mas equipando os mecanismos de arrecadação e fiscalização de impostos e contribuições.
   Uma redução de quatro pontos percentuais na taxa básica de juros acarretaria uma redução de 40 bilhões no pagamento anual  de juros.
   Ninguém é ingênuo a ponto de não saber quanto é grande a sonegação fiscal no país. Há cálculos que afirmam ser de até 50%. Qualquer um de nós está cansado de fazer compras dos mais diferentes objetos ou artigos e não receber nota fiscal.
   Assim, além de melhorar o sistema de fiscalização, o governo poderia encontrar um meio de estimular o cidadão a exigir a nota fiscal em qualquer compra. Funcionando bem essa aliança, a carga tributária poderia até ser reduzida. É a única maneira que vejo como aumentar a arrecadação e obter os recursos necessários à execução dos 3 programas fundamentais para alavancar o desenvolvimento.
   Ainda resta outra possibilidade de obter mais recursos, esta pelo lado da contenção dos gastos públicos correntes. Enxugar a máquina, modernizá-la, melhorar a sua capacitação e eficácia poderiam contribuir para o atingimento do objetivo.
   Será que vamos ficar eternamente no estágio em que nos encontramos, procurando encontrar justificativas que nos impedem de fazer o que é preciso, tais como o montante da dívida pública, o serviço da mesma, o receio de nova onda inflacionária e outros medos? Ou será que existem motivos outros, não revelados, que nos condenam a permanecer praticamente estagnados, com uma taxa de crescimento do PIB irrisória, se comparada a outras economias que vêm crescendo a taxas muito mais significativas? Ou será que não temos mais estadistas? Aliás, por falar em estadista, quando tivemos o último? Onde estão os nomes de políticos que possam merecer o adjetivo?
   Se elegemos um intelectual ou um ex-operário, o resultado não muda muito. Políticas pequenas, ousadia nenhuma, criatividade nem pensar. Apenas burocráticos com visão estreita, que enxergam a política apenas  como meio de promoção pessoal e extrema vaidade. Tanto é assim que, não obstante os sofríveis desempenhos na condução do país, tudo fazem para a sua reeleição, a qualquer custo. Será que potências externas têm interferido no sentido de o Brasil permanecer como produtor e  fornecedor de produtos sem agregação de valor?
   Por qual motivo o país não investe, de forma consistente, em pesquisa científica e tecnológica? Há alguma proibição ou os pesquisadores brasileiros são incompetentes?
   São muitas as perguntas que se fazem. Respostas e atitudes é que são raras. E, pelo jeito que caminham as coisas, vamos continuar sonhando. Sonhando e sofrendo. Algum candidato à presidência reúne os atributos para mudar os rumos do Brasil?
   Em outubro de 2006 vamos votar. Há algum nome que realmente nos devolva a esperança? Caso se eleja A ou B, haverá mudanças relevantes, ou vamos dar continuidade ao rema-rema a que já nos acostumanos? Parece que as crianças de hoje terão uma grande decepção quando chegarem à idade adulta. Se hoje existe uma desilusão, o que sentirão, no futuro, essas crianças? Pelo que posso perceber, só um milagre irá fazer com que os brasileiros venham a revigorar suas esperanças no que concerne ao seu próprio futuro.
   Tomara o meu pessimismo seja fruto de uma constatação equivocada. Talvez eu esteja precisando de óculos mais fortes para enxergar um cenário menos obscuro.
 




   
   
   
Augusto Canabrava
Enviado por Augusto Canabrava em 12/03/2006
Reeditado em 31/10/2013
Código do texto: T121974
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Augusto Canabrava
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
77 textos (10682 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:20)
Augusto Canabrava