Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PING-PONG x Lula

Em visita de surpresa, Luiz Inácio, prestigiou torneio internacional realizado nas dependências da Associação Esportiva Saddock (ASES). Apesar de não ter mais disponibilidades de bonés, o presidente da ASES, prometeu mandar confeccionar  em data oportuna uma camiseta comemorativa.
PING-PONG Esporte Nacional

Durante a ocasião o presidente da ASES, ratificou junto ao presidente Lula, seu pedido para a abertura de uma CPI, para investigar o descaso com o esporte, pois até o presente não se sabe qual é o esporte mais jogado nacionalmente, se por exemplo, o Tênis de Mesa ou o Ping-Pong. Apesar de haverem diferenças de regras entre estes e outros esportes, no popular o povo gosta mesmo é de bater um ping-pong do bem movimentado.
 
Entre os presentes ao evento havia uns que reivindicavam a criação do MSR (Movimento dos Sem Registro), alegando que não é necessária a criação de um órgão gestor mór, pois ping-pong a gente bate em qualquer lugar e a qualquer hora, sem que para isso concorra o gasto de enormes somas de dinheiro, pois os próprios atletas se organizam em grupos e levando tudo na brincadeira, fazendo novas amizades, alargando as fronteiras de paz e cooperação. Já outros são a favor que se pague alguma taxa, em prol do esporte como meio de integração social, e de amparo a menores de notada carência, pois já pagamos tantas e uma a mais ou a menos não iria fazer diferença, desde que seja fiscalizada na aplicação de seus fins, ou seja, o esporte como educação e instrumento social através do lazer.
 
Também havia aquelas pessoas que acham que deve se cobrar tudo sem ter de dar nada em troca... Nada foi preciso comentar, pois estes sabemos, são aqueles mesmos que verdadeiramente vivem da renda deste ou daquele esporte, seja pela comercialização com preços exorbitantes na revenda de materiais, e que ainda são beneficiados pelo ir e vir a eventos internacionais e transitarem com as malas abarrotadas de material importado e de primeira linha, sem similar no país, que chega sem uma simples quimera de imposto, mas que ainda assim tem seu preço aviltado, mesmo sem emissão de uma simples nota fiscal de venda... este é o ping-pong dos que podem!
 
Há ainda os que cobram pelo pesado fardo que é organizar e manter uma modalidade para apenas "meia dúzia" de praticantes, pois se organiza torneios, campeonatos ditos oficiais, cobrando todo tipo de taxa de participação e nem ao menos fazem uma paga digna para quem realmente trabalha... este é o ping-pong do empurra-empurra, do estado  que não dá, e quando dá, é de quem pode pegar e gastar como a "legislação permite", através dos artifícios das prestações de conta sem fiscalização dos órgãos que destinaram a verba...e para onde foi o investimento no esporte educação?

Será que no ping-pong das leis de Zico a Pelé a bolinha foi para fora da área de jogo!

Comentou-se da CPI do futebol, que mexeu com os bingos e iria puxar as confederações, mas isto é ping-pong para outros “presidentes” se preocuparem...

Lula ficou tão hipnotizado pelo vai e vem da bolinha, que mal podia tirar os olhos da área de jogo, pois cada segundo é muito importante na decisão de aplicação de recursos, e na sugestão da visita ficou a proposta de se reduzir a parte que cabe às confederações e federações, e aumentar a aplicação no que compete educação. Afinal esporte performance é para profissionais, deixa a educação com o verdadeiro “Estado”, aplicando em centros de esporte para crianças em idade escolar e por aí afora...

Legislação à parte, Lula bate um bolão, apesar de gostar das peladinhas nos finais de semana, confessa que também joga um ping-pong quando pode, e acha que é uma atividade muito salutar, pois pode ser jogado por pessoas de todas as idades, classes sociais, sem distinção de credo, profissão ou cor parda.
Jucersa
14/04/2004

Após inquirido sobre a veracidade dos fatos acima relatados, respondo:

Segundo o “Pai Äurélio” a crônica per si, é a narração histórica, ou o registro de fatos comuns, feitos por ordem cronológica. Sendo um pequeno conto de enredo indeterminado.
Ou um pequeno texto jornalístico redigido de forma livre e pessoal, e que tem como temas fatos ou idéias da atualidade, de teor artístico, político, esportivo, etc., ou simplesmente relativos à vida cotidiana.

Mas ainda fico com um conjunto de notícias ou rumores relativos a determinados assuntos, pois pode acabar sendo uma biografia, e em geral ser escandalosa. O que jamais deixará de ser um conjunto de notícias, mas que pela “brincadeira” ou pelo simples ato de jogar com as idéias, pela caçoada, galhofa ou zombaria, de certos atos que vem ocorrendo no esporte e seus mandos, a gente chega perder o sentido dos limites entre a realidade e a ficção...

Mas o bom mesmo, é que uma crônica acima de tudo, faz a pessoa parar e pensar... em talvez,  novos rumos e condutas tomar!

Julio Saddock
Saddock
Enviado por Saddock em 06/04/2006
Reeditado em 19/09/2012
Código do texto: T135019
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Saddock
Curitiba - Paraná - Brasil, 61 anos
53 textos (3750 leituras)
4 áudios (615 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:16)
Saddock