Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Crônicas da Vida Real

Crônicas da Vida Real
Augusta Schimidt

Valentina

Valentina tinha esse nome porque era valente. Desde pequena era atirada e não tinha medo de nada.
Bom... de quase nada.
Na verdade Valentina morria de medo de baratas, monstros rasteiros atrevidos que para assombrar adoravam voar.
Era assim que Valentina pensava:  “barata voa só pra me provocar”.
Nos idos anos 70 Valentina se casou. Foi morar num apartamento que era um primor. Tudo muito limpo e arrumado seu canto miúdo era o próprio castelo do sonho encantado. Começaram bem. A vida fluía num mar de rosas e o primeiro sábado de Valentina casada chegou.
Preslei, era esse o nome do seu marido, muito parecido com um certo cantor, saiu cedo de casa. Queria lhe fazer um carinho comprando uma linda cesta de flor.
Enquanto Valentina esperava a volta do seu amor, resolveu se arrumar, tomar seu banho, se refrescar, pois era um sábado de muito calor.
Foi então que abriu a gaveta e frouxa de medo, batia os dentes, tremia toda de terror. Bem em cima de suas roupas passeava aquela monstrenga que quando viu Valentina bateu asas e voou.
Voou alto, assanhada, por todos os cantos ela passou.
A cena era hilária. Valentina descabelada, de vassoura quebrada na mão, chorava lágrimas em cascata e a barata já cansada de tanto se esconder entregou os pontos já disposta a morrer.
Uma calma chinelada acabou com a agonia da malvada que tanto fez Valentina sofrer. Preslei havia chegado e depois de muito rir acabou com o duelo só pra ver sua amada feliz. Mas Valentina enfurecida, chorava sem parar e jurava naquela casa nunca mais querer morar. Até o desquite pediu. Aquele monstro de asas criou uma grande confusão e Valentina não conseguia ouvir seu coração.
O tempo correu só pra dar uma mãozinha e saindo do estado de choque Valentina de relance viu as flores que ganhou. Ficou tão feliz que o episódio relevou. Até do desquite ela esqueceu caindo nos braços do amado recuperando a paz que perdeu.



Augusta Schimidt
Enviado por Augusta Schimidt em 10/04/2006
Código do texto: T137062

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Augusta Schimidt
Campinas - São Paulo - Brasil, 66 anos
366 textos (532081 leituras)
4 e-livros (6968 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:44)
Augusta Schimidt

Site do Escritor