Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Garçons não tem visão periférica

Os grandes jogadores de futebol têm uma particularidade: possuem excelente visão periférica. O que é isso? Bom, em resumo, é a capacidade de perceber aquilo que está fora do raio central da visão, do “foco”.
No caso dos jogadores, a questão é estar focado no lance com a bola nos pés e, ao mesmo tempo, ver a movimentação de adversários que estão fora do foco, mas abrangidos no raio de visão. A matéria sobre o assunto estava na revista Superinteressante, nem me lembro de que mês e ano. Um dos entrevistados era o Mário Sérgio, aquele craque que jogou no Inter Grêmio e São Paulo. Canhoto técnico e habilidoso, era vesgo, mas, contudo, tinha ótima visão de jogo devido a sua visão periférica. Isso mesmo cara, se você também é vesgo não esquenta, pode ter uma boa visão periférica e virar jogador de futebol.
Mas voltando ao Mário Sérgio, ele dizia na matéria que sempre estava de olho no lance e, com a visão periférica, via a colocação dos adversários e dos companheiros, diferenciado-os pela camiseta, pois a visão periférica não capta detalhes. Assim, Mário Sérgio contava que esse era o segredo do seu famoso lance de “olhar para um lado e dar o lançamento para outro”. Eu acho que é mentira dele, pois, como ele é vesgo, é natural que sempre estivesse olhando para um lado e passando a pelota para outro. Como os zagueiros iam saber para onde ele estaria olhando, ora bolas?
Mas uma certeza eu tenho, depois de mais de três décadas de existência, grande parte delas vividas em bares comendo pizza e tomando cerveja: garçons não tem visão periférica. A visão deles é hiperfocada, não capta nada fora do “foco”. E o foco deles é quase como o de uma lanterna ligada em noite de escuridão completa, tem um diâmetro específico e não percebe nada fora dele.
Devido a tal especificidade é que você pode ficar levantando a mão durante vários minutos que os garçons não te vêem, mesmo estando virados de frente para o seu lado. E vocês sabem como isso é verdade, né? Quantas neuras você passa no seu restaurante preferido? Dá vontade de gritar para o garçom, o que a gente só não faz para não chamar a atenção e não passar vergonha.
Nesse caso, o garçom é quase como o “Olho que Tudo Vê”, do Senhor dos Anéis (viram o filme?). Aquela luz, na torre próxima a Montanha da Perdição, que passa fina por sobre a terra. Garçom é assim, só que nós é que ficamos na perdição. Aliás, esse é também um ponto vulnerável do garçom, assim como era o do Olho que Tudo Vê. Explico: foi por não ter visão periférica, que o Olho não viu os hobbits Frodo e Sam chegarem nas barbas dele, entrarem na Montanha da Perdição e jogarem o Um Anel na lava, destruindo-o e fazendo o Olho desabar. E os garçons também podem desabar por isso...
Se duvida, faça o seguinte teste. Espere aquele garçom, que você está chamando a mais de meia hora por gestos e que não te vê (justo quando você sai com aquela morena maravilhosa e tenta impressioná-la), vir com a bandeja para uma mesa que fica depois da sua. Cuide se o olhar dele está focado na mesa e não para o chão. Se estiver na mesa, é só esticar o pé à frente dele. Batata, ele não vai ver. Um ser humano normal veria. O Mário Sérgio, mesmo vesgo, veria. Mas ele não verá. Você pode até balançar a perna que ele não vai perceber. Vai passar, trupicar na sua perna e desabar como a Montanha da Perdição. Você estará vingado. Só não deixe a morena ver, pois ela vai achar que tu é um babaca mesquinho e crianção e não vai mais liberar um crédito sexual pra ti.
Claro, você é um babaca, mas a gente não deve ser sincero com as mulheres, pois daí elas nos vêem como somos e se desiludem da gente. Você sabe, mulher vive de ilusão, assim como garçom não tem visão periférica. Ah, mais um detalhe. Se fizer o teste, não diga que me conhece e que teve a idéia ao ler essa crônica, que eu não quero nem me incomodar com a policia, nem ser processado e nem apanhar de garçom.
Agora podemos concluir, pela lógica, porque o garçom é garçom e não jogador de futebol. Ora, ele não tem visão periférica, cara! Perceba, inclusive, que você nunca ouviu um grande jogador dizer que foi garçom antes entrar no mundo do esporte. Viu, é a lógica! É por isso que nos restaurantes sempre tem vários garçons e eles estão sempre circulando entre as mesas. Os seus patrões sabem que, se os deixarem parados, os clientes vão morrer de fome e eles não verão nada! Principalmente se ele tiver garçons vesgos. Bah, aí sim, imagina? Você nunca saberá se ele vai estar olhando para você ou não. Ficará mais perdido que os zagueiros que marcavam o Mário Sérgio.
João Adolfo Guerreiro
Enviado por João Adolfo Guerreiro em 25/04/2006
Reeditado em 26/04/2006
Código do texto: T144803
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
João Adolfo Guerreiro
Charqueadas - Rio Grande do Sul - Brasil, 48 anos
640 textos (131866 leituras)
83 áudios (12907 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:32)
João Adolfo Guerreiro

Site do Escritor