Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COMIDA DE CAMPING



Costumava acampar.

Nada de camping civilizado com ar condicionado e TV a cores. Mas aquele selvagem onde era necessário levar comida e água potável. Onde a montagem da barraca desafiava mais de duas horas de intenso trabalho no meio de praia deserta ou floresta virgem.

Sol, chuva, suor e cansaço faziam parte da rotina. Mas amava tanto esse tipo de aventura que cheguei a comprar uma perua rural para transportar com mais facilidade toda tralha.

A comida desafiava os espíritos. Precisava ser improvisada no ato com o que se podia obter ou conservar, preparada em toscos aquecedores portáteis.

O prato carro-chefe sempre foi o macarrão. Molho de tomate com atum ou sardinha. A fome completava os temperos que faltavam.

E onde geladeira não entrava, as latas completavam as opções. Uma de palmito e outra de ervilhas. Batatas apenas cozidas na água, vinagre, sal e azeite. Eis uma magnífica salada de entrada, para campista nenhum botar defeito.

Um peixe sem nome acabado de pescar, comprado ali na praia, cortado em postas e cozido em molho de tomates. Arroz e pirão. Algo fácil e delicioso para nunca mais esquecer.

Se fazia frio uma sopa era a comida de rigor. Um panelão de água, batatas, cenouras, feijão ou lentilhas, tudo que era verdura que conseguia obter, algum pedaço de carne e fogo. Duas a três horas de lento borbulhar naquele arremedo de fogão. A vontade só era saciada com dois ou três pratos repletos dessa deliciosa mistura.

O café da manhã era magnífico. Pão de forma, margarina, café, leite condensado, queijo, presunto, alguma fruta quando possível, geléias e biscoitos de todo tipo.

Nada a reclamar.

As noites eram quentes. O suor intenso. Dormia-se tarde e levantava-se cedo, com o raiar do dia.

Eram programas desgastantes com sacrifícios malucos. Mas gostava. E, tão logo voltava para casa já estava pensando em outra excursão.

O tempo passou e a situação mudou.

Confesso que hoje quando tenho que viajar pergunto primeiro se o quarto do hotel tem ar condicionado. E se o chuveiro possui aquecimento central. Quero saber quem elabora as refeições e qual o tipo de cozinha. Porque, não escondo, sacrifício e desconforto não se incluem mais nos meus planos. Prefiro não sair a enfrentá-los.

Mas outro dia conversava com uma amiga. De avançada idade e dotada de incomum inteligência e perspicácia.

Falava sobre o período da vida em que era vidrado nesse tipo de aventura. E de como o tempo nos leva a mudar.

A conversa corria solta e acabei por resvalar para outro tema polêmico dizendo-lhe que conseguira atravessar toda a adolescência e os anos seguintes incólume: permanecendo solteiro. O que acredito seja uma das melhores opções de vida.

Foi quando ela parou para pensar e depois, calmamente disse: “Pedro, a gente só casa na época que adora acampar!”

Foi uma afirmação profunda. E ainda continuo tentando entendê-la inteiramente.
Tagobar
Enviado por Tagobar em 09/05/2006
Código do texto: T153243

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tagobar
Campinas - São Paulo - Brasil
63 textos (25782 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:57)
Tagobar