Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
VALE A PENA SONHAR

Naquele dia era comemorado o 25.º aniversário de fundação do ABEC (Acorda Brasil Esporte Clube), instituição esportiva do município de Agraciados do Brasil e Marcos Paulo Santos, filho de um dos sócios fundadores, fora escolhido para ser o orador da abertura das festividades daquele acontecimento tão importante.

Inicialmente, o convidado agradeceu a todos os presentes pela oportunidade que lhe fora concedida e em seguida passou a discursar como se estivesse numa daquelas noites de festa de gala do Clube Lítero e Esportivo Municipal a que seu pai tantas vezes estivera participando, e assim ele se expressou:

"Senhoras, senhores, jovens e adolescentes aqui presentes, nunca devemos parar de sonhar, pois, os sonhos de um ser humano são para uma vida o mesmo que uma ilha avistada em alto mar por um náufrago que busca salvamento. Todos nós temos de persegui-los. Não importa as dificuldades que tenhamos de enfrentar, os caminhos sinuosos que tenhamos de percorrer. Assim, quando tivermos um sonho, um objetivo a ser realizado, deveremos seguir em frente, sempre!

Todos nós devemos entender que ter um sonho, ter um objetivo na vida não é o mesmo que viver na ilusão. Ilusão, no sentido literário da palavra, pode ser definida como o engano dos sentidos ou da mente, que faz com que se tome uma coisa por outra, que se interprete erroneamente um fato ou uma sensação, é, portanto, a percepção distorcida de um objeto; o que dura pouco; ou comparada a um sonho, no momento em que a materializamos.

Assim, partindo-se do princípio que uma ilusão não existe por si só e que ela necessita ser materializada, transformando-se, num primeiro instante, em um arcabouço de um sonho, o qual, por sua vez, também inexiste por si só sem que haja uma ação, um movimento, etc. por parte daqueles que querem ver realizados os seus intentos, eu vislumbro, observando sob a ótica da Dinâmica, que a ilusão sempre tenderá a ser pouco duradoura e poderá até inexistir, uma vez que a sua proliferação dependerá apenas e tão-somente da nossa vontade, das nossas ações.

Se permanecermos inertes, ela sempre tenderá a ser "a percepção distorcida de um objeto" ou um mero engano dos nossos planos.

Na minha forma realista de encarar a vida, reafirmo que jamais deveremos parar de sonhar, jamais deveremos parar de traçarmos objetivos claros daquilo que pretendemos realizar. Não devemos esperar que a sorte, que é coisa do acaso, nos procure e nos proporcione as mudanças positivas de que tanto necessitamos.

São os sonhos que dão alento à nossa vida. São eles que nos mantêm de pé, acreditem. Portanto, é natural que sonhemos e da mesma forma tenhamos objetivos claros daquilo que queremos para nossa vida, pois eu vejo o objetivo como uma feliz trajetória da realização dos nossos sonhos planificados e amplamente organizados. Ele é a feliz realização de todas as metas que porventura tenhamos traçado no decorrer de nossa existência. Ele é a placa basilar de uma existência amplamente planejada.

Para algumas pessoas, o objetivo é o único antecessor da realidade, do que discordo. A perseverança, a tenacidade e a determinação plenamente organizadas por parte do ser humano, estas sim, é que fazem a diferença. O "querer", sem o "poder da ação" plenamente organizado, transforma-se naquela fase da vida que costumamos denominá-la de "viver sonhando acordado."

A realidade e/ou objetivo é o produto de todas as nossas ações, nossas forças colocadas em prática, afinal, "querer é fazer, sempre!" E quando temos um propósito, um desejo materializado, plenamente organizado em nossa mente, ali já se alicerçam os pilares da sua realização bem como a concentração de todas as etapas por nós planejadas. E essas etapas é o que costumamos chamá-las de realidade.

Basicamente, um objetivo concluído é a consumação da realidade de um sonho outrora tido, planificado, amplamente organizado e bem vivenciado.

Senhores, senhoras, jovens e adolescentes aqui presentes, nunca deixem de sonhar! Lutem pelos seus ideais, sempre! O homem que tenta viver a sua vida sem a presença de sonhos, já pereceu há muito tempo e permanece de pé prestes a cair no primeiro esbarrão mais forte que a vida lhe proporcionar.

Sonhemos, sempre, e de preferência de olhos bem abertos, pois os nossos sonhos plenamente planificados serão o passaporte que nos conduzirão ao caminho do sucesso, que nada mais é do que o resultado do esforço individual de cada um de nós no decorrer de nossas vidas.

Portanto, temos de acreditar, sempre, na consecução de dias melhores, em todos os momentos e em todos os setores e seguimentos sociais dos quais fazemos parte e devemos buscar incansavelmente os recursos necessários a essa realização.

Acreditem, senhoras e senhores, cada um de nós é aquilo que planeja ser. Cada um de nós tem aquilo que planeja ter. Cada um de nós é, nada mais, nada menos, aquilo que plantamos no decorrer de nossa existência.

Em verdade, durante toda a nossa existência nós até podemos escolher o que semear, mas de uma coisa, senhoras e senhores, estejam certos: nós só colheremos aquilo que semeamos."

Ao final desse discurso o convidado Marcos Paulo Santos foi muito aplaudido pela platéia presente que considerou o tema abordado por ele de suma importância para todos e também para a política partidária do país, principalmente nesse momento de instabilidade socioeconômica mundial que ora atravessamos.

No decorrer da festa era o assunto que rolava na boca do povo. Todos ali foram unânimes em reafirmar que Marcos Paulo Santos fora muito feliz nas suas explanações, pois não bastam os sonhos, é preciso que acreditemos neles e façamos com que eles se tornem realidade, sempre!
Germano Correia da Silva
Enviado por Germano Correia da Silva em 14/05/2006
Reeditado em 27/02/2011
Código do texto: T156127
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Germano Correia da Silva
São Paulo - São Paulo - Brasil
454 textos (52242 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:52)
Germano Correia da Silva

Site do Escritor