Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

       
               MINHAS CANÇÕES


           Hoje, esta amarga nostalgia
,

           Deixem-me de vez,

           ouvir meus long plays

           de tempos de outrora,

           aqui,  nesta hora...

           Ellis Regina, a pimentinha,

           Trio Esperança e Miltinho,

            não cantamos sozinhos...

           Vou de Raul, maluco beleza,

           e de twist com Chubby Checker,

           e lembrar com saudosa tristeza,

           Jannis Joplin, Barrios e Aznavour.

           A música de minha juventude,

           boleros de Ravel,

          Agustin Lara,

          tangos de Carlos Gardel.

          Mas,nada se compara,

          à Vinicius, a Noel,

         Beatles, Tom Jobim,

         eu romântico sim,
 
         ainda sou, 

         pra maracangalha eu vou,

         de chapéu de palha,

         vou visitar o "Arnesto",

         acho que ainda presto,

         pra cantar uma canção,

         do querido Adoniran,

         não sou o bamba, o tal...

         Quem o é? Wilson Simonal.

         Johnny  Mathis,

         my prayer, oração

         e com Roberto,

          canto de coração,

          com Beatles desperto,

          em emoção

          tendo Elvis por perto,

          as rosas não falam,

          Cartola chegou,

          os críticos calam,

          Mangueira abafou.

          Ray Charles e Barrios,
 
          blues e boleros,

          só a escutar, o que quero.

          Charmosa Bethânia e Gilberto,

          Dominguinhos e Domingão,

          Nubia Lafayette bem perto,

          nesta festa de amigos,

          Caetano e  Jorginho,

          o italiano Endrigo,

          e também Zéca Pagodinho.

          Gigliola, Pavone, Celentano

          e o poderoso Sinatra,

          Los Panchos y  Los Hermanos,

          o bolero, os cancioneiros, a graça.
     
          Bienvenido Granda,
        
          e as boates esfumaçadas?

           o " bigode que canta",

           em noites enluaradas...     

           E, quem não cala e fica na escuta,

           ao cantar do último romântico,

           o Altemar Dutra ?  

            Nos versos da música, o protesto

            Geraldo Vandré, em manifesto,

            falando de flores,

            de muitos e muitos amores.

           Os meninos dos Incríveis,

           o meu amigo camarada,

           tardes da jovem guarda, inesquecíveis.

           E tudo começou com Celly Campello,

           o rock, o swing e as baladas...           

          Nem imaginas a próxima canção,

          alegria da manhã,

           Jorge Aragão,

           e na avenida, Jamelão.
         
           E nosso cantar,

          se volta pro Martinho da Vila,

          laiáraiá...nosso olhar,

          E o pagode de Dudú, moleque,

          Zé Keti e Lupicínio,

          é cantar e cantar, jamais a toa,

          há que ter raciocínio,

          Demonios da Garôa,

          e o ídolo Djavan, nos bares,

          Milton Nascimento,

          romantismo no momento,

          em todos os lugares,

          a cantar nos palcos nos parques,

          Elza Soares,

          e o poetar de Chico Buarque.

          A deusa de minha rua, um dia,

          o boêmio Nelson Gonçalves,

          e a morena Angela Maria,

          cantaram com  saudades.

          Deixe-me a nostalgia,

          e, minhas vontades,

          de ouvir estes amores,

          suave, saudosa alegria,

          a voz destes cantores !

          

          




           

         
         

         

         

        
Maurélio Machado
Enviado por Maurélio Machado em 16/05/2006
Reeditado em 17/05/2006
Código do texto: T157393
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Maurélio Machado
São Bento do Sul - Santa Catarina - Brasil
7706 textos (1651512 leituras)
2 áudios (1128 audições)
88 e-livros (6116 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:42)
Maurélio Machado