Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tragédia na Piscina

Tragédia na Piscina


Era o mês de dezembro. Início de férias, véspera de Natal de 2001.
Nóia chegou cansada. Fizera uma viagem de mais de mil quilômetros, de ônibus, uma viagem longa, cansativa e cheia de muito sofrimento.
A mais nova integrante da família fez baldeação em Salvador e chegou à hospitaleira cidade de Brumado, numa luminosa manhã de sol..
É que Nóia é sergipana. Nasceu por lá, de pais sergipanos e, com seu amigo Fabrício que terminou seus estudos na capital, diplomando-se em Farmácia, veio morar aqui.
Apesar de uma permissão para que Nóia viesse, houve um susto logo que eles chegaram, porque pensávamos que a amiga do nosso filho fosse daquelas gracinhas meigas e dengosas, de cabelos cacheados e que fazem carinhas manhosas ao aproximar-se da gente. Mas não. Nóia era forte, determinada e não fazia manhas. Independente e tranqüila, vivia o seu mundo.
O convívio conosco fê-la dócil e, em pouco tempo, ficou nossa amiga, uma amiga carinhosa, de olhar piedoso e temperamento calmo. Parecia carente. Teria saudade de seus pais?
Cresceu depressa, ficou moça e, um dia, entrou no cio. Foi visitá-la um amigo de porte garboso, temperamento irrequieto e, naturalmente, mais velho do que ela. Nesse encontro, amaram-se durante toda a tarde. À noite, o amigo foi para casa e Nóia ficou feliz.
Passados alguns dias, começamos a notar que ela estava ficando mais gorda. Os dias se passavam e era visível o quanto nossa amiga aumentava de peso. Alimentava-se muito bem. Estava feliz e carregava o peso da barriga, com suas tetas cheias de leite.
Um dia, precisamente dois meses após o encontro amoroso, Nóia entrou em  dores de parto. E o seu amigo, seu dono, também foi seu “médico”. Não se afastou dela um só minuto. Acompanhou o nascimento, um por um, de oito filhotes: quatro machos e quatro fêmeas. Eram lindos! Uns pretos e brancos, uns marrons e brancos, uma cor de mel, outra preta com uma mancha branca no peito. Uma beleza! E, a cada nascimento, Fabrício nos avisava: nasceram mais dois, nasceu um, mais um, mais um, até que às 24:00 horas, nasceu o último, completando oito filhotes.
Era uma alegria ver a nossa amiga deitada, amamentando seus filhinhos. Eles mamavam numa ânsia louca, trocando de peito aos segundos. O interessante é que entre eles havia os mais espertos, aqueles que nasceram maiores. Sugavam mais da mãe e passavam os menores pra trás.
Decorridos alguns dias, eles começaram a movimentar-se, ainda com os olhos fechados. Espertinhos, já saíam pela grade do canil, até que um dia... Ah! Que dia! Esqueceram de fechar o portão que dá para uma área de lazer... e os danadinhos, mal clareava o dia, saíram um por um, caminhando em direção a essa área, certamente acompanhando a mãe. E essa caminhada, a primeira de suas vidas, foi uma caminhada sem volta. Por não enxergarem ainda o suficiente, os filhotes, exceto um que fora presenteado a um amigo, caíram na piscina. Era madrugada e não se sabe qual o comportamento da mãe nessa hora. Deve ter ficado desesperada...
Havia uma cadelinha, a cor de mel cujo nome era Marta, que estava debaixo de uma cadeira, imóvel... Mais adiante, outra, mexia-se muito pouco. Chamava-se Bang.
O desfecho, você, caro leitor, pode imaginar.
Eu, particularmente, avisada pela minha secretária quando tomava o café da manhã, não quis ver cena tão triste! Três filhotes já estavam no fundo da piscina, dois boiavam...
E qual não foi a dor de Fabrício ao tirá-los mortos dali,sob o olhar triste e petrificado da cadela que, movida pelo instinto materno, ainda retirara dois filhotes da água fria: Marta e Bang. A nossa amiguinha Marta não resistiu e morreu logo. Bang sobreviveu, com muitos cuidados.
E o que restou dessa história que chamei de “tragédia” foi um sofrimento de dor e saudade daquelas pequenas criaturas que já amávamos.
Não sei se é coincidência, mas Nóia ficou traumatizada. Não pode ver ninguém entrar na piscina. Começa a latir muito agitada, andando de um a outro lado, como se recordasse daquele dia fatídico.
Então, falamos para acalmá-la:
-Pára, Nóia! Pára!...
E as águas azuis da piscina continuam trazendo à nossa lembrança, a tristeza daquele dia em que seis filhotes de “Pit-Bull” deram o seu primeiro e último mergulho...
Mena
Enviado por Mena em 25/05/2006
Código do texto: T162612

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mena
Brumado - Bahia - Brasil
539 textos (113488 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:23)
Mena