Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Por quem Chora Joana

Por quem chora Joana

Acocorada no batente que dava para o alpendre nos fundos da casa, encontramos Joana.  Estava  de cabeça baixa, mãos entre as pernas. Vestia um vestido de chita que perdera a padronagem entre a sujeira nauseante. As lágrimas desciam-lhe pela face também suja, encardida. Passava as mãos pelos olhos cansados, pelos braços pelancudos, mostrando aquelas unhas grandes e empretecidas pela sujidade. Tudo nela dava mostras de que a vida acabara.
A razão de tudo isso fora a morte de seu companheiro, há dez dias. Como Joana entendia a morte, se não entendia a vida? No abismo em que se afundou, nada mais lhe era importante. Não comia, nem bebia. O fogão a lenha estava coberto de cinzas antigas. Não se viam sinais de vida naquela casa que, desde o acontecimento, não fora arrumada. A poeira acumulava dia-a-dia  e a sensação que se tinha era de desprezo à vida.
Do pequeno alpendre, viam-se as galinhas acompanhadas dos seus pintinhos, ciscando pelo quintal. As poucas cabeças de gado bovino estavam soltas. Teria ela lhes dado a ração diária? A água para beber teria chegado ao cocho? Ninguém sabia. Naquela imersão no vazio, Joana não queria nada. Era só tristeza e solidão. A vida era sentida apenas por alguns movimentos e respostas monossilábicas que nos davam. Seu olhar úmido e embaciado pelo sofrimento, fixava-se, não em nós, mas no vazio, porque vazios estavam sua alma, seu coração e seu espírito. Corpo e mente se completavam na obscuridade de um ser sem fé, sem Deus.
A alma que se fora há dias, não morrera. Vivia a sua espiritualidade, à procura da paz celestial. O corpo que ela deixara, já se desfazia, misturado à terra. Como queria Joana desprender-se de tudo, sepultar seu corpo, se ainda vivia? Como poderia ela entregar-se à morte, se em seu peito batia um coração, em sua cabeça pulsava um cérebro que se debatia em busca das lembranças mais caras? Viver assim era, de fato, antecipar a morte.
Encontrava-se Joana em estado de torpor, não pensava em Deus. Parece que sua fé, se algum dia tivera, murchara.
Não atinava sobre a vida que se foi. Não refletia sobre o mistério da vida e da morte que nos envolve. Não entendia que aquela vida pela qual chorava, venceu a morte. Venceu a morte das dores, dos sofrimentos que viriam, mortificando o corpo já débil e uma mente já envelhecida e cansada, que ansiava pelo descanso.
Joana agora só queria sofrer. Era uma mortificação do corpo e da mente como retribuição à companhia de tantos anos... Mas Joana queria morrer? Não. Ninguém quer morrer. Ter medo da morte, viver em expectativa angustiante do fim da vida são pensamentos que afligem a alma humana. E afligia também Joana.
Como, então, alguém poderia entregar-se assim ao desespero, antecipando, inconscientemente, uma ação que, por certo, viria acontecer no seu tempo?
Viver. Morrer. Tão bom viver! Tão bonito morrer! É bonito morrer, quando encontramos boniteza na vida. Quando todas as nossas ações se voltaram para o bem, num exercício de comunhão com os irmãos. Bonito morrer, porque morrer não deve ser como Joana pensa... Bonito morrer quando se tem consciência de que uma vida ressurge, após o cansaço da vida que se vai. É como disse Rubem Alves: “A vida é um poema enorme, uma explosão de gestos e de sentidos espalhados pelo espaço. Mas como tudo é humano, a vida é também cansaço que anseia pelo sono”.
Ter a certeza de que depois da labuta, o corpo descansará, é uma felicidade. Joana não compreendia que seu companheiro precisava descansar. Ansiava pelo sono, para despertar num lugar onde as luzes não possuem o brilho metálico das engrenagens humanas que podem apagar, mas o brilho da luz que vem da proteção divina. Ter a certeza de que outra vida existe, real e imutável, dá-nos um conforto extasiante diante do abismo da morte. Joana, entretanto, naqueles dias, era alimentada tão somente pela amarga desilusão de uma perda. Era assim que ela entendia a morte de um ente querido; é assim que todos nós entendemos, porque não pensamos no ser que partiu.
Como Joana, ficamos com a consciência embotada pela dor e pela saudade, o que nos impede de raciocinar. Mas recobramos a nossa visão, se tivemos uma educação religiosa consistente. Essa mulher, no entanto, não passara por esse processo. Sua mente estava fechada pela ignorância, não se abria a uma fagulha de luz. Seu interior estava minado pela dor da morte que ela não aceitava.
A consciência vigorosa e animada pelo temor de Deus não achara guarida no seu espírito fraco e abatido, porque lhe faltara uma formação espiritual, a vivência da fé em Deus.
O ser humano, ainda que não seja letrado, tem que ser espiritualmente educado para dominar, em toda a sua profundidade, as forças negativas da descrença e das ações dissolventes que definham o corpo, obnubilam a inteligência, já que todo homem tem natureza tridimensional, formada de corpo, espírito e alma.
Entender a morte como um fato natural da vida, ainda é muito difícil, especialmente para quem não entendeu a própria existência e não procurou elucidar esse mistério: Quem sou? De onde vim? Para onde vou?
Como disse Santo Agostinho “O homem foi criado por Deus e a sua alma não encontrará descanso enquanto não voltar para Deus”.
Joana teve o seu momento de dor, porque chegara o momento de Deus.

Mena
Enviado por Mena em 03/06/2006
Código do texto: T168593

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mena
Brumado - Bahia - Brasil
539 textos (113491 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:26)
Mena