Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A GEOGRAFIA DA ALMA DESCONHECE FRONTEIRAS

Seria um sonho realizado percorrer o caminho de Santiago de Compostela.   Executar passo a passo a peregrinação de fé, de encontro comigo mesma.  Entrar no santuário ao final da trilha para me render à magnificência do simples, do silêncio, da emoção que nos traz o transparente e o impalpável.
          Estou impossibilitada, por inúmeras razões, de seguir essa rota famosa, mas isso não impede que eu faça o meu próprio caminho que, se não tem o nome de Santiago de Compostela, nem por tal razão deixa de ser um caminho especial.
          Sigo o ritual.  Nada é postergado. Tudo é iniciação.  É um passo e depois outro.
          Carrego nas costas uma mochila leve porque me esvaziei do supérfluo; nos pés uso sapatos de cortiça para suavizar as pisadas; nas mãos seguro um bastão para me apoiar nos trechos mais difíceis; no peito ostento a concha, símbolo dos peregrinos; no coração coloco a suavidade da esperança que é, também, feita da crença no chegar.
          Quando o cansaço começa a arrefecer meus passos, me sento à margem da estrada e fecho os olhos para respirar mais lento.
           Se a noite chega fico contando estrelas, como se fossem vaga-lumes do tempo de criança.  Apanho algumas para iluminar a ponta dos dedos.  E da mochila pego o pão da recompensa e a água da coragem e deles me alimento.
            O meu lar é a pousada onde me refaço para continuar a caminhada no dia seguinte.
           Ao amanhecer recomeço a trilha que, apesar de exigir perícia no seu trajeto de obstáculos, é fruto da minha escolha e planejamento. Gosto de saber que peregrino por onde eu mesma escolhi e aprendo a todo instante que as dificuldades podem ser vencidas.
           É, como já mencionei antes, o caminho de Santiago de Compostela a minha maneira com minhas opções e oportunidades.
           Inúmeras foram às vezes em que viajei em pensamento até a peregrinação de Compostela. Fosse a beira do mar ou na estrada de terra, fosse por entre árvores e pedras, fosse na lida diária em meio ao turbilhão da vida das metrópoles.
           A geografia da alma não conhece fronteiras. O espírito dispensa passaporte, vistos de entrada e de saída e, principalmente, dinheiro.
           Os 800 quilômetros de estrada da peregrinação de Santiago são uma réplica do caminho nosso de cada jornada que por certo, é bem mais longo e íngreme.
           O caminho de Santiago é, em essência, o caminho para dentro de nós mesmos que realizamos, chova ou faça sol, nessa fantástica chance que a vida nos dá de descobrirmos as nossas potencialidades no percurso de cada dia.
           Estejamos onde quer que seja, nosso caminho é peregrinação.
          E, no momento certo, chegaremos à capela que coroa todas as caminhadas.
          Boa viagem!
Maria Alice Estrella
Enviado por Maria Alice Estrella em 15/05/2005
Código do texto: T17035

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Alice Estrella
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil, 66 anos
13 textos (1130 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:06)
Maria Alice Estrella