Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÓS

Conjugamos o verbo da extrema era na 1ª pessoa do singular – é o pronome pessoal do caso “reto”. O presente do indicativo, indica regougo à predileção, à solta, à “porra” da perspectiva que me faz pensar sobre o caso: Ilhas Malvinas. No entanto, nem sou inglês; nem nascido na Argentina.
Ainda hoje, sou flagrado por pederastas em sabatinas desatinadas, desde quando eu discursava sozinho naquele palco socrático em Atenas (não que eu fosse um “porra-louca” nos anos 90).
Sempre dado à experimentações imaginárias, meus namorados representavam um perigo coletivo avermelhado. Eram das polaróides vigentes, desalinhados.
Sou um homem sempre apaixonado! Talvez por aquela menina que por onde passa, ao menos o peão da obra assobia; recebe cantadas obscenas; perturba-se na sua beleza indolente, em tão demasiada idolatria, solene! Ou talvez esteja “escravo-amante” da feia arredia. Ou me pretenda uma linda mulher, ou mesmo à “patricinha”! Quiçá seja eu um “mané”?.. Amo e nem sei quem. é!
Mas eu tentava as melhores leituras no traquejo das manadas, e recitava Nietzsche de cor para as minhas namoradas. Foi pura e simples “chapadez”: - “Eu já sei”!..-, porque para um sujeito não letrado, no “ i ” , o pingo é  prosa incognoscível; fragmento do verso; mistério!
RODRIGO PINTO
Enviado por RODRIGO PINTO em 16/05/2005
Reeditado em 02/11/2008
Código do texto: T17253

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (RODRIGO DE OLIVEIRA).
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RODRIGO PINTO
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 98 anos
316 textos (19099 leituras)
2 e-livros (908 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 06:15)
RODRIGO PINTO