Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Primos e pares

                                      Primos e Pares

Amanhã vou receber meus primos , virão para o almoço. No cardápio muito afeto e a vontade de reatar uma convivência que o tempo escasso nos roubou.

Ele é o primo da infância mas a nossa  afinidade foi se reafirmando com o decorrer do tempo.

Ao olhar nosso percurso vejo a enorme diferença de vivências de cada um mas a irmandade permaneceu nas idéias e no afeto.

Com ele a prima adotada pelos laços de um casamento de muitos anos... e como gosto de ver a cumplicidade dos dois no olhar, nos gestos, na fala muda de quem se conhece muito e confia ainda mais. Difícil, nos dias atuais, ver um casal, um par!

Com ele vivi um dos momentos mais estranhos de minha existência. Conversávamos madrugada adentro debruçados em um janela e não sei como matamos nossa avó. Matamos, enterramos, velamos e por ela choramos em silêncio, num pacto de sofrimento antecipado. Vovó viveu ainda por muitos anos depois desta morte virtual encenada pelos netos mais velhos, e na sua morte verdadeira não me lembro de ter sofrido tanto quanto naquela ocasião.

Para os primos colocarei minha toalha mais bonita, meus melhores pratos e copos, os talheres natalinos. No centro da mesa um arranjo de flores que pretendo colher frescas no jardim, e na comida diet/ligth um capricho a mais na escolha dos pratos que acompanharão o vinho que eles trarão.

Como é bom receber amigos, conversar sobre os pratos, ter a intimidade para falar dos ausentes, relembrar cenas perdidas, ver fotos antigas e fazer planos para o futuro.

Bom demais, coisa para quem tem primos e pares!
Gilda Delgado
Enviado por Gilda Delgado em 12/06/2006
Código do texto: T174265
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gilda Delgado
Maricá - Rio de Janeiro - Brasil, 70 anos
11 textos (568 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:33)