Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A solidão encontrada


A solidão encontrada

 
Belvedere Bruno



Estava só, apenas com seus pensamentos. Deitada  na cama, relutava em ler algum entre aquele amontoado de livros. Não sentia vontade de assistir aos lançamentos cinematográficos, cuja programação havia sido entregue pela videolocadora do bairro. Guardara também todos os CDs. Havia silêncio a seu redor, algo denso, embora o sol entrasse convidativo através de sua janela. Para ela, naquele momento, o mais coerente era manter o cobertor sobre seu corpo. E fechar a janela.

Suas lágrimas  estavam gastas por perdas sucessivas na vida. As conquistas atuais pareciam fogos de artifício, que logo se perderiam. Pensava também em rasgar fotos, que não diziam nada, a não ser lembrar ficções.

Sentia que não cabia mais perguntar ao destino, aos céus, ou a Deus: "Serei, para sempre, uma mulher só?" O hoje  era o seu amanhã, e a constatação de que estava sozinha, de que esse era o seu contexto na vida, fazia com que permanecesse debaixo do cobertor. Era, definitivamente, uma mulher só. Aquela comprovação doía, mas nunca temera verdades.

Trancou seu coração de forma que, a partir daquele momento, esperasse apenas a despedida de si mesma.
 

 
belvedere
Enviado por belvedere em 17/06/2006
Reeditado em 14/09/2008
Código do texto: T177197

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73246 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:43)
belvedere

Site do Escritor