Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rebelião Mental!

“Os clãs estão marchando contra a lei
O tocador de gaita de foles toca as melodias de guerra
Morte ou glória eu encontrarei
Rebelião em minha mente”
Grave Digger - Rebellion (The Clans Are Marching)


             Rebelião mental ou mera loucura? Seria loucura pensamentos alucinógenos desabrocharem em nossas mentes sãs e perfeitas? Seria enlouquecimento desejar as mais oriundas tragédias em vão? Afogado em mandrágora escrevo este texto.

    Que sentimentos mais horríveis passam nesta mente profana desconhecida de limites externos! Arruinados, estamos todos nós, nos encontramos em total e profunda podridão humana, fome, guerra, corrupção, poder, dinheiro, drogas, ambição, cólera, inveja, traição, destruição de valores e muito mais. Analisando a situação, não atual, mas de toda a “evolução humana” cada vez mais estamos caminhando ao regresso, não ao progresso, a evolução parou a partir do momento em que nos tornamos sedentários ainda no denominado período “pré-história”. Pré-história?! O que é isso? Antes portanto da invenção da escrita não tivemos história? Esta apenas se deu quando a professorinha das cavernas ensinou todos os humanos macacos a escrever? Como era antes então? Tudo em estado suspenso da matéria? Tirem cada qual sua própria conclusão!

             Evoluímos para a podridão, não somos racionais, somos animais que estão marcando sua própria extinção, e não contente com isso resolve levar todo seu lugar de morada junto e varias outras, estas sim evoluídas, espécies consigo para a escuridão eterna. Somos miseráveis, cretinos, ignorantes, nos julgamos o topo da escala evolutiva e não passamos de meros estúpidos e despreparados. Somos o desgosto de Gaya, somos a ovelha negra da família.

             Somos ignorantes ao ponte de acabar com todas as reservas naturais para nossa própria sobrevivência, acabamos com florestas, animais, a água. A água. A água. A fonte necessária para a vida poluímos por interesses econômicos, não haverá dinheiro no mundo que refaça o mal que fizemos e não adianta culpar os primórdios da revolução industrial, pois aquela poluição era ínfima aos olhos da atual. Acabamos com florestas, destruímos a vida, acredito que já destruímos a cura para a AIDS, Cancêr, e demais doenças com o desmatamento. Para todas as doenças existem a cura, apenas a detruímos.

             Agora já é tarde demais para tratados e acordos internacionais e repressão ao desmatamento e poluição, a maior parte que preservamos já não servem para nada. Digo que estes tratados não são por compaixão a natureza, mas também por  interesse econômico, já que a grande fonte de riqueza para o futuro não distante são os remédios naturais. Quer dizer, voltará a ser os remédios naturais, pois quando vejo reportagens ridículas dizendo que a medicina natural também cura me vem um pensamento: A medicina química surgiu por volta do século XVIII e XIX. Antes disso como eram curadas as doenças? Todos morriam de dor de cabeça ou uma simples febre? Que arrogância em dizer que a medicina natural também cura. Palhaçada isto.

             Sabedoria? Temos isso? Não vejo na natureza algum “animal” que tenha classes sociais dentre eles, onde a maioria tende a passar fome e adquirir doenças para a minoria sobreviver, o que analiso é a comunhão dos membros da mesma espécie para a sobrevivência mútua, não vejo animais depreciando membros da seu clã em classes sociais empregadas a força, vejo o contrario, citando-se as abelhas. Estes insetos também possuem classes, distinção, tem a líder suprema, a rainha, abaixo temos os Zangões, que tem como função também a proteção da colméia e as operária que trabalham para o bom prosseguimento da colônia. Tudo bem, mas que isso tem haver com os humanos? Com os humanos nada, temos classes sociais, somos divididos, mais ao oposto das abelhas não estamos trabalhando para sobrevivência mútua ou para o bom prosseguimento da sociedade, estamos trabalhando para sobreviver a nós mesmos. Pois temos a linda e bela, capacidade evolutiva de nós mesmos nos destruirmos, imagino que seja por isto que não temos predadores naturais, analisem, não precisamos sair as ruas correndo com medo que venha um outro animal e nos coma, as únicas coisas que tememos e corremos são de nós mesmos, homens são predadores de homens.

             E o futuro? O que será? O futuro não será nada, não teremos futuro, nunca tivemos. O que temos é o presente, o ser humano só vê o presente. Ganhando dinheiro agora está bom, danem-se nossos descendentes. Somos tão irracionais que ao menos pensamos na continuidade da espécie, nem em nossa prole temos zelo. Viva o presente e esqueça o futuro e finja que não tem passado. Para que passado? Lá não ganhamos dinheiro! Estamos transformando nossa planeta num grande forno, e os jornais tiveram a coragem de dizer que há uma febre terrestre momentânea, para não chocar os espectadores. Realmente desde quando cheguei nesse fundo fétido o inverno está ficando cada vez mais curto e o verão mais intenso o calor. Febre momentânea

             Somos burros, destruímos nossa própria espécie, acabamos com nossa própria comida. Não nos unimos para um bem comum, nos matamos por dinheiro para a minoria comandante. Estamos em uma selva degenerada. Estamos nos afogando em nossas próprias lágrimas de lamentos, pois é tarde demais. O que vai ser do futuro? Que deus tenha piedade de nossas almas!

             Rebelião Mental.


             Guilherme Danna
                27/06/2006
Danna
Enviado por Danna em 27/06/2006
Reeditado em 27/06/2006
Código do texto: T183382
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Danna
Londrina - Paraná - Brasil, 32 anos
8 textos (2145 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:42)
Danna