Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MULHER

Terezinha Pereira
                                                                                   

Ano de 1.857. Oito de março. Eram cento e vinte e nove mulheres trabalhando numa fábrica têxtil em Nova York. Queriam ganhar salário igual ao dos homens, uma vez  que executavam as mesmas tarefas.  Queriam também a redução de uma jornada de trabalho que durava até dezesseis horas. Nesse dia oito de março resolveram reivindicar o que julgavam de direito. Acontece  que foram queimadas vivas dentro da fábrica. Simples. Eles tinham a força. Eles tinham o poder. Reconstruiriam a fábrica. Outras mulheres fariam o mesmo trabalho, até mesmo para ganhar um salário menor. Nada como o medo...

No primeiro Congresso Internacional das Mulheres realizado na Dinamarca no ano de 1.910 escolheram o dia oito de março para ser comemorado o Dia da Mulher. Precisaria?

Ao longo dos séculos a mulher foi treinada para viver sob as ordens do ser considerado superior.  “Lugar de mulher é dentro de casa.” “Mulher de família não sai desacompanhada.” “Mulher só dirige bem um fogão.”

Mulher nasce com o direito de usar roupa cor-de-rosa e brincar de boneca. Crescendo, ganha o direito de auxiliar a mãe nas “leves” tarefas domésticas, serviço à-toa. O irmão acompanha o pai nos passeios, que ninguém é de ferro, trabalha dia inteiro com trabalho pesado de corpo ou de cabeça na firma. Trisavó, bisavó, avó, mãe e filha têm o mote gravado nas profundezas do subconsciente.

 Estudar, só até o curso normal está bom. Profissão de mulher fora de casa deve ser exercida na escola, ensinando crianças a ler e a escrever.

Com a vinda da pílula anticoncepcional alguma coisa muda. Além das obrigações de dona de casa, a mulher ganha o “direito” de lutar por uma  carga adicional de trabalho.  Com uma quantidade menor de filhos, pode estudar na faculdade, trabalhar em bancos, no comércio, nas escolas de segundo grau, nas faculdades, nas grandes indústrias. Com a condição de não precisar de dividir a obrigação do trabalho doméstico, é claro. Apenas os frutos do trabalho feminino extracasa é que podem ser divididos...

Com o direito de sair para trabalhar, a mulher deu, mais uma vez,  de cara com a prepotência, com a força daqueles que se julgam donos de tudo. O assédio sexual, antes conhecido em áreas do trabalho doméstico e escravo, passou a acontecer nas empresas. Um sem contar de vezes,  o direito ao trabalho ou a um melhor salário fica condicionado a concessões de ordem sexual por parte da mulher.

Se a mulher ganhou o direito do voto em 1934, somente em 1994, é que uma candidata a governadora de estado foi eleita  pelo povo. Em 1998, uma outra quase chega no segundo turno em São Paulo. Foi atropelada pelas pesquisas. Onde já se viu uma mulher governar o maior estado do país. Antes das eleições de 1.998, no Brasil,  6,4% dos congressistas eram mulheres. Um percentual que se difere pouco do resto do mundo, mesmo levando em consideração os países mais desenvolvidos.

Apesar da prostituição feminina acontecer com a anuência de dois parceiros, somente a mulher é condenada pela lei e pela sociedade. Um cliente nem mesmo é julgado por se deitar com uma prostituta.
 
Quando a mulher mata o marido é considerada assassina, com “direito” a pena máxima. Morta pelo companheiro, o crime é passional. Num passe de mágica surge um amante para a mulher assassinada, que, sem haver tido o direito de continuar viva, não vai negar a existência do suposto, nem berrar que, durante vida inteira de casada,  havia andado às voltas com o desejo de se deitar ao lado de um homem apaixonado e muito carinhoso, que dividisse com ela, além da cama, frutos do trabalho e tarefas do lar e cuidados com os filhos que não fez sozinha. Fato que ocorre no mundo todo.


Os modernos equipamentos da tecnologia vêm permitindo que a mulher tenha uma gravidez mais saudável. Mas,  a mesma prepotência do início dos séculos, em muitos países,  faz uso dessa tecnologia para impedir o nascimento de crianças do sexo feminino.

Em alguns lugares roubam das mulheres até mesmo o direito de sentir prazer cortando-lhes o clitóris.

Mulher, guerreira por séculos e séculos, sua luta continua. Sua força é sutil, mas infinita. Você tem o poder de  embalar uma vida dentro de seu corpo durante o tempo estabelecido pela natureza para que ela venha ao mundo. De sua força, de sua garra, de seu carinho, de seu amor,  de seu corpo  é que depende o futuro da humanidade. Você é a dona dos todos os dias do ano.
Terezinha Pereira
Enviado por Terezinha Pereira em 22/05/2005
Código do texto: T18893
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Terezinha Pereira
Pará de Minas - Minas Gerais - Brasil, 68 anos
124 textos (52874 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 03:59)