Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

URBANOS

Meus livros são urbanos. Eminentemente urbanos, como eu. As personagens são nascidas nos grandes centros ou, aglutinadas por eles, perdem toda e qualquer ligação com a sua origem. Conheço os males urbanos. Dos que me são familiares, discorro com facilidade. Ao contrário do que muitos pensam, não é difícil encontrar dramas na alta sociedade. Os ricos também sofrem. Em alto estilo, é verdade, mas... diante de inimigos ferozes, muitas vezes toda uma fortuna pesa e agride pela própria impotência. Todo recurso disponível não consegue evitar tragédias... não cura o incurável... não resgata a vida. O dinheiro não compra bens interiores: amigos... família... amor... Eu sei disso, passiva e ativamente. O que não se deu comigo, eu vi de perto... A dor dos semelhantes... Dos outros males urbanos eu busquei saber. A dor dos não semelhantes me parecia distante, inatingível, sem importância... mas eu fui atrás. Perguntei, fotografei, pesquisei... Descobri um mundo de desgraças de A a Z, de todos os tipos, para todos os gostos, da mais alta a mais baixa posição social. Me especializei nisso. Falo das pessoas presas entre quatro paredes, sejam elas de tábuas ou de tapetes persas. Dos que circulam pelas vias, a pé ou nos importados, e que são igualmente alvos perdidos de balas certeiras. Dos que estão dentro e fora das grades, nos presídios ou nos condomínios de luxo. Dos perdidos, sem saber o que fazer com o que têm ou não. Dos sentimentos e emoções emparedados com a argamassa do progresso. Masoquismo meu? Não. Nem deles... O paraíso terreno é um mundo distante, talvez mesmo, lendário... Uma utopia. O mundo cresce e parece girar mais rápido a cada dia. O bom e o bem são escassos... Os maus e os males se alastram... A guerra vive na própria paz. Não existe felicidade, apenas, talvez, momentos felizes e, cada vez mais ínfimos. O resto, é o real. É onde as pessoas vivem, onde elas se realizam como podem. É o que elas identificam e entendem como verdadeiramente possível.
Muitos consideram o meu trabalho extremamente criativo. Estão enganados. Ou são cínicos. Eu escrevo a verdade, e muitas vezes, a minha... Mas, a verdade está fora de moda... ninguém mais acredita nela... está em desuso. Mais vale uma boa mentira...
É o que eu faço.


(trecho do conto Olívia, ainda inédito)
Maria Luiza Falcão
Enviado por Maria Luiza Falcão em 10/07/2006
Código do texto: T191393
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Luiza Falcão
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
20 textos (824 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:18)
Maria Luiza Falcão