Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A AVENIDA

A noite era quase escura na Avenida que margeava o córrego. As luzes silenciosas dos postes desprendiam-se na sua ingênua castidade a iluminar fracamente sua distância linear e sumir na curva seguinte.

Com a noite, foi-se a visão de seu movimento para dentro das casas, longe das poucas retinas andantes que ainda se aventuram a cruzar suas passagens.

É mais uma noite fria. A avenida chorou gotas de orvalho do inverno no asfalto severo e sentiu os coágulos de luz  e frio se jogarem tímidas na sua máscara escura.

O artifício brilhante das lâmpadas era quase nada em seu asfalto sombrio, dando-lhe ares de uma penumbra misteriosa.

Misturou então sua penumbra nas solitárias presenças imprecisas. Misturou penumbra nas carnes que despiam seus desejos flamejantes e se entregavam ao amor afoito no espaço ínfimo de um carro qualquer.

Mas depois da noite veio a madrugada quase a abraçar o alvorecer. A avenida adormecida em suas próprias sombras colheu em seu cálice negro as gotas de orvalho qual vinho sem cor.

Solitária esperou o amanhecer...





Sonia de Fátima Machado Silva
Enviado por Sonia de Fátima Machado Silva em 13/07/2006
Código do texto: T193241
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sonia de Fátima Machado Silva
Coromandel - Minas Gerais - Brasil, 53 anos
1110 textos (38681 leituras)
9 áudios (367 audições)
2 e-livros (68 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:43)
Sonia de Fátima Machado Silva