Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Apenas, renunciei...

Todas as dias fazemos pequenas renuncias. Por opções conscientes ou não.
E eu fiz uma consciente. Abri mão do amor.
Do amor de outros homens.
Descobri esse meu amor, muito cedo. Jovem, aos 18 anos, casei-me com aquele que elegi e fui eleita, companheiro, alma-gêmea, amigo... E fiz a escolha certa. Após 11 anos, não há arrependimentos. De nenhuma forma.
Vemos a vida de maneiras diferentes, com opiniões contrárias, que geram por vezes, brigas, mas que se completam, encaixam-se, moldam-nos.
Meu eleito e eleitor, é calmo, manso, simpático, indeciso, confuso, doce, carinhoso, atencioso, desregrado... Tem mil adjetivos.
Ao decidir-me por ele, porque tudo na minha vida é decisão, mesmo com conhecimento imediato, ou não, renunciei a todos outros possíveis amores que estariam sujeitos a acontecer...
Abdiquei do ardor na alma, que novas paixões proporcionam... A entorpecência que amores frescos geram...
Desisti de dividir meu sentimento maior, até num ato de egoísmo, pois espero que ele faça o mesmo, já que exige isso de mim.
Quer ver a desprendida Cherry tornar-se possessiva? Não fale em divisão desse amor. Não, não admito.
Quero eu, que a alma deste rapaz, seja minha. Que sua essência confunda-se com o meu querer. Que seu amplo e benevolente coração não seja compartilhado com nenhuma outra mulher.
Porque, para mim, não há prêmio maior no mundo, que ser digna desse coração. Coração esse, que é exigente, que é inteligente, que é meticuloso e perfeccionista. E com a bem-aventurança de ser eu a eleita, meu egoísmo não deixa-me dividi-lo...
E como tenho por regra, só dar o que quero, ou espero receber, retribuo com muita felicidade de quem sabe o quanto um amor assim é raro.
Não me sinto sufocada/sufocando, não me sinto anulada/anulando, me sinto livre, enlaçada pelas argolas de ouro que carregamos em nossos anulares esquerdos e orgulhosa por elas estarem lá.
Minha alma, a parte que lhe compete o amor, é dele e de mais ninguém. E com isso, ele tem o meu melhor. Ele tem tudo que posso lhe dar. Ele tem-me inteira, sem restrições.
Mas existem outras partes, porque ninguém é só amor, e a estas, eu também conscientemente, não renuncio, até porque não espero isso do ser amado. Entender-lhe-ia todas as faltas, todas as duvidas, todos o pecados, todos os desejos, todas as inseguranças, vontades e ações.
Somos contrários nisso, e por essa contrariedade, há coisas que não são ditas, mas não por enganação. Por cuidado, proteção. Enfim, por amor também.
E quem disse que amor tem regras generalistas? Cada um ama como aprendeu e como lhe é sentido. Cada um renuncia o que quer em nome desse amor.
E eu, apenas, renunciei o AMOR de outros homens... E nada mais que isso, até porque não renego a minha individualidade...
Cherry
Enviado por Cherry em 24/05/2005
Código do texto: T19339
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cherry
São Paulo - São Paulo - Brasil, 40 anos
10 textos (1342 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 19:44)