Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Precioso Presente

   Um pequeno murmúrio começava a se fazer nos largos e longos corredores que serpenteavam o prédio da empresa. Ouviam-se apenas palavras baforejadas, que ao serem sussurradas sobre o ouvido do colega ao lado causavam uma incômoda sensação de aquecimento nas orelhas do ouvinte. O pequeno murmúrio foi tomando largas proporções, assemelhando-se se ao nascimento de um furacão.

  - Quantos anos ela esta fazendo? – Murmurou Diego para João, que por sua vez, com espanto, retruca:

  - Ela? Quer dizer que nosso amigo mudou de sexo?

  Diego não conseguiu dominar a súbita vontade de gargalhar, soltando uma rajada sonora que atraiu a atenção de todos para sua pessoa.

  - Desculpem-me pessoal, lembrei-me de uma situação engraçada e não pude me controlar. Desculpem-me, por favor!

  Adriane, a aniversariante, estava concentradíssima em seus afazeres rotineiros e nem ouviu a gargalhada ecoar pelo corredor que dava para a sua sala.

  No corredor, todos aguardavam o chefe terminar uma ligação e vir trazendo junto consigo um pequeno embrulho vermelho com listas amarelas, amarrado com uma fita azul desbotada.

  - Tempo, tempo, oh tempo, não o tenho para estar gastando com tais futilidades. – Pensou Márcia, durante a interminável e tensa ligação do chefe.

  - Como pode! Que pobreza! Se eu ganhasse tal presente, embrulhado com tal pacote... Nossa! Quanto embaraço! A lixeira seria o seu destino! – Exclamou o engravatado no fim do corredor para o colega a sua direita.

  Finalmente, terminada a ligação, saiu o chefe ajeitando o colarinho e, à sua retaguarda, seguiram todos os outros em fila indiana ao longo do corredor, como soldados iniciando uma longa marcha sob o ardente sol de verão.

  - Você entra primeiro Diego! – Exclamou o chefe autoritariamente, sem deixar nenhuma chance para retrucar.

  Surpreso pelo imprevisto, Diego segue lentamente em direção à porta do Departamento Fiscal. Suas mãos suavam frias. Sua boca, há um minuto molhada, agora mal conseguia abrir-se, colando seus lábios pela falta de saliva. Num pulo, abriu a porta. Tímida e desafinadamente iniciou:

  - Parabéns pra você, nesta data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida.

  Na segunda parte do cântico, todos os colegas e o chefe, em coro, cantaram juntos, formando um coral desafinado de felicitações.

  Adriane, pobre moça de pele branca! Sua face tomou a mesma cor de seus longos cabelos vermelhos, formando uma interessante combinação de cores. Seu fino rosto parecia afinar mais ainda com toda a tensão do momento sobre si.

  - Cronicamente tímida. – Pensou consigo mesma. – O que farei agora? Sou o centro desse constrangimento.

  Seguindo com as felicitações, tão logo que a cumprimentaram, dizendo todos praticamente as mesmas palavras, torcendo para que aquele desagradável momento terminasse, chegou o chefe com o precioso presente.

  - Adriane! – Exclamou o homem. – Parabéns pelo teu dia, você é uma ótima empregada! A palavra “empregada” ecoou na mente da moça de tal maneira, que ela vezes ouvia empregada, vezes ouvia escrava.

  - Muito obrigada senhor. – Respondeu ela com um falso sorriso, enquanto tomava em suas mãos o mirrado presente.
Terminada a folia, não havendo mais ninguém na sala a não ser ela mesma, arriscou-se a abrir o presente.

  - Meias, malditas meias! – Disse ela. – E ainda por cima vermelhas, iguais às do ano passado! – Reclamou, ao mesmo tempo em que as jogava no lixo, juntamente com o cartãozinho onde se lia “Muitos anos de vida”, rodeado de balõezinhos opacamente coloridos.

  No dia seguinte, ânimos acalmados, uma pequena criança chamou a atenção de Adriane no caminho para o trabalho: cabelos sujos, sua roupa era feita de pequenos retalhos, contrastantes com seus pés descalços, nos quais usava apenas um par de meias vermelhas, aparentemente novas.

  - Tia, titia, você tem alguma coisa para dar? – Perguntou a garotinha. Após ganhar algum trocado, a garotinha agradeceu, dizendo:

  - Que Deus te dê em dobro titia, assim como ele me deu ontem esse par de meias novas. Vou rezar para que a senhora amanhã também tenha a sorte de ganhar meias novas...
Eduardo Dachary
Enviado por Eduardo Dachary em 29/07/2006
Reeditado em 31/07/2006
Código do texto: T204572
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eduardo Dachary
Ijuí - Rio Grande do Sul - Brasil
2 textos (160 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:21)