Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Valores


Valores

Ontem estava fazendo meu aquecimento para correr em um parque aqui de Brasília e me surpreendi com um bom dia, fiquei surpreso, pois Brasília é a famosa terra do clima seco, de pessoas frias, a terra do ter e não do ser, levantei minha cabeça e fui o único a responder aquele bom dia, dado por aquele homem de meia-idade, tatuado, mp3 no ouvido. Foi então que percebi que nesses quase 2 anos que freqüento esse parque foi o primeiro bom dia que recebi e que escutei alguém dá a um desconhecido.
Foi um bom dia que me remeteu ao passado, lembrando como os valores mudaram e nós não reagimos à mudança, ao contrário, nos entregamos sem nenhuma luta.
Lembrei-me uma vez que estava andando com meu pai, eu ainda era criança, e pensar que no próximo dia 06 já irei completar trinta e uns (não precisam me encher de presente, contento-me com uma televisão de tela de plasma de 41 polegadas, quem me conhece sabe que não sou de muito luxo.) Pois como eu dizia, estava caminhando com meu pai e ele deu boa noite a um homem que passava por nós, eu de imediato perguntei quem era, ele respondeu que não sabia, eu continuei e perguntei, porque então o senhor deu boa noite, ele então finalizou: - não é preciso conhecer alguém para cumprimentar.
Outra lembrança que carrego comigo, foi quando fui pego jogando bola na sala de aula, logo eu que era o vice-líder da classe, fomos levado à presença do então Vice-Diretor do Liceu do Ceará, quando o Liceu ainda era o respeitado Liceu, acho que o vice-diretor se chamava Brizeno, mesmo sabendo que não estávamos ali como visitas ou por uma boa ação, ele fez questão de levantar de sua cadeira e apertar a mão de cada um e nos disse: - nunca cumprimente uma pessoa sentada, o simples levantar já é uma reverência que pode fazer grande diferença. Apesar de nem precisar dizer que fui substituído na vice-liderança da turma, aquelas palavras marcaram para sempre minha vida. Fui levado a presenças de outros diretores em outras ocasiões, quanta injustiça, mas nem um deles levantou-se ou me deu a mão.
Quando eu era criança aprendi a chamar todo mundo de senhor, de senhora, não de tia, de tio, isso era reservado aos irmãos de nossos pais, ou chamar de “veio”.
Também fui ensinado a dá lugar aos mais velhos, a dá preferência às mulheres.
Mas hoje percebo o quanto as coisas mudaram, o quanto valores foram sendo deixados para trás, como e difícil dá um bom dia, pedir desculpas, parabenizar e quando acontece é automático, o bom dia não é dado nem com a boca, imagine com o coração, ele é dito apenas com os lábios, sem sorriso, sem um olhar. Pedir desculpas, para alguns é preferível a morte. O aperto de mão poderia ser chamado de toque de mão, pois na maioria das vezes é um gesto sem emoção, sem força, sem calor, é quase uma obrigação.
Estamos numa época que a cada dia aprendemos mais coisas, seja pela Internet, pela televisão, pelos jornais, somos bombardeados com todos tipos de informações, que nem temos mais tempo para reconhecer e praticar valores tão simples e importantes. Paulo Freire disse que chegaria um tempo que teríamos que aprender a desaprender, espero que esse tempo chegue logo, assim não ficarei tão surpreso quando receber novamente um bom dia de um estranho.
FMBARBOSA
Enviado por FMBARBOSA em 30/07/2006
Código do texto: T205594

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (FMBARBOSA). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FMBARBOSA
Brasília - Distrito Federal - Brasil
109 textos (10820 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:26)