Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A goiaba de papai



Estávamos papai e eu ao léu, no quintal de casa, quando aquela perfeita vistosa madura grande goiaba do pé do vizinho invadiu atrevidamente o desejo alimentício frugal de papai. Seus olhos vibravam... produzindo faíscas de brilho, sombrancelhas arqueadas, a saliva transbordando.

A lembrança de sua meninice campesina, as inúmeras vezes em que se esbaldou e empanturrou-se, trepado em frutuosos galhos de variados vizinhos, resgatou-lhe a nostalgia, a sensação da perda de tais joviais prazeres abandonados pelo destino.

Fitou-me, viajante e desejoso. Eu, então garotinha urbana e ingênua, extasiada em ver no rosto de papai tamanha alegria infantil causada pela preciosa frutinha, não pude evitar oferecer-lhe uma compreensiva emulação:

 - Realmente, papai! É uma goiaba linda e apetitosa!

Não precisou de mais. Papai, afobado:

 - Está no ponto para se arrancar. Se esperar mais apodrecerá.

Olhou para a churrasqueira encostada ao muro que dá para o vizinho e a goiabeira, olhou para mim, olhou para a amadurecida goiabinha e soltou uma doce proposta:

 - Quem sabe se a gente puser a cadeira sobre a churrasqueira e você, filhinha esperta do papai, sobe e apanha a danada. Que tal?

Na inocência de minha primeira década de vida e na confiança de que papai sabia de tudo, coloquei a bamba cadeira sobre a churrasqueira de tijolos e a galguei em busca da bichinha.

 Tchibum!!!

A cadeira escorregou da churrasqueira, eu escorreguei da cadeira e caí dentro da impiedosa assadora de carne. Um de seus ferros pontudos rasgou-me a carne da perna num só golpe surpreendente.Uma só questão saiu-me boca a fora:

- Papai, vai ficar marca? Vai ficar marca?

Quando vi o sangue saindo pela nova fresta, produzi aquele berreiro! Está doendo! Ai! Papai doía-se em nervosismo, desespero e condolência. Correu carregando-me para o hospital, aquele vento era tão doloroso...; e após uma hora de escândalos e suores, o curativo estava feito.

Enfaixou-me quase toda a perna. Foram uns quatorze pontos. Quando mamãe chegou do trabalho, eu estava com uma perna toda enfaixada brincando de bambolê.

O mais interessante foi que, na semana seguinte, fui ao quintal e vi a goiaba toda podre caída da árvore.

 -Mesquinha ela, não?

Tania Montandon
Enviado por Tania Montandon em 01/08/2006
Código do texto: T206535

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Tania Montandon). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tania Montandon
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 38 anos
44 textos (7584 leituras)
1 e-livros (94 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 13:19)
Tania Montandon