Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meu filho, um artista.

A professora chamou a mãe na escola e avisou que o filho necessitava retornar uma série porque ele tinha sérios problemas de coordenação motora grossa. A mãe, não acreditou no que ouviu. Pois o filho não apresentava nenhum problema quanto às notas. Resolveu mudá-lo de escola. E nas primeiras primeiras semanas, apreensiva, esperou ouvir da nova professora o mesmo veredito: seu filho necessitava retornar uma série para amadurecer. Como a professora nada comentava, a mãe, ainda na dúvida se deveria atender à solicitação da outra mestra, resolveu perguntar se seu filho apresentava alguma dificuldade em acompanhar a turma nas várias atividades escolares. A educadora mostrou-se surpresa com a pergunta da mãe alertando-a de que o aluno era excelente em todas as propostas em sala de aula e muito comunicativo com os colegas de classe. Abrindo um sorriso de canto a canto, a jovem mãe sentiu-se aliviada em ouvir aquelas palavras tão agradáveis a seu ouvido. E não pensou mais no assunto. No entanto, quando o filho teve dificuldades em aprender a andar de bicicleta enquanto os irmãos menores rapidamente pedalavam sozinhos, ela sentiu-se  incomodada com a situação. Apesar disso, deixou que o menino permanecesse na série em que estava matriculado, esperando que de uma hora para outra algo viesse aparecer comprovando as palavras da antiga professora.
E os dias se passaram. Chegou o final do ano letivo e como trabalho de conclusão cada criança deveria pintar um quadro para entregar aos pais. A mãe aguardava à porta da escola. Enquanto isso observava as outras crianças que vinham alegres com suas criações nas pequenas mãozinhas. Notava que apesar de pouca idade elas conseguiam produzir desenhos interessantes e bonitos. Quando o filho chegou com seu trabalho ela aguardava algo parecido. Mas, para sua surpresa, foi difícil decifrar o que o garoto queria dizer com aquela pintura que mais parecia um borrão e intimamente achou horrorosa. Sem perspectiva e mesmo sem saber exatamente o que estava ali retratado. Tentou, no entanto, imprimir alegria a seu julgamento dizendo: "Que coisa bonita meu filho!". Um zelador do colégio onde a criança estudava, observava toda a cena e discretamente chegou perto da mãe dizendo: "Mãe, o desenho está de cabeça para baixo, vire a folha que a senhora entenderá melhor."
Muitas vezes nossa ansiedade diante do que projetamos para nossos filhos não nos deixam ver toda a criatividade que eles têm dentro de si e precisamos que pessoas de fora nos mostrem essa verdade. Pense nisso!
Sam
Enviado por Sam em 09/08/2006
Reeditado em 21/09/2008
Código do texto: T212790
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sam
Angra dos Reis - Rio de Janeiro - Brasil
212 textos (20689 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:51)