Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Céu e o Mar

Num certo dia lindo, eu quis ir na praia, ver o mar, as gaivotas, aquela brisa deliciosa, surfar como qualquer pessoa faz, beber água de coco, pegar conchas, caminhar, etc.
Então minha mãe me levou ao mar, nós fomos para o fundo, fizemos disputas de guerra de água, de nadar, como qualquer mãe faz com seu filho.
Então pensei bem se aquilo era uma maravilha, pois poderia acontecer algum incidente como alguém se afogar ou ser queimado pôr alguma água-viva, etc.
Então o Sol alto começou a surgir, foi quando minha mãe e eu decidimos ir em alguma lanchonete para almoçar.
Chegamos então lá na lanchonete do seu Zico, apelido, pois seu nome verdadeiro era João Oliveira Zico.
Então almoçamos, voltamos para praia, ficamos vendo o céu, como era lindo, cheio de gaivotas rondando pra lá e pra cá como se estivesse num imenso furacão, algumas estavam caçando peixes, outras chegavam tão perto de nós que parecia nunca terem vistos humanos como nós.
Minha mãe e eu fomos alugar um aconchegante barco para passar a noite. Compramos num mercado o necessário para de noite.
Foi engraçado que eu só queria salgadinhos, bolachas e refrigerante, como toda criança pede, é claro, e minha mãe só falava a mesma coisa de sempre:
_ “Hoje não, não tem dinheiro, isso estraga os dentes, não, não me faça passar vergonha”, etc.
Então só depois que eu fui perceber que eu estava errado, que não podia desobedecer a minha mãe.
Enfim o Sol começou a se abaixar, naquele pôr do Sol, e a Lua subindo.
Me deitei perto da vela do barco e vi aquele céu lindo, maravilhoso, e porém muito escuro. Aos primeiros segundo comecei pensar na escuridão, no inferno, dei um pulo de susto quando minha mãe me chamou para jantar:
_Venha meu querido filho, venha jantar!
_Já vou mãe, vou antes lavar minhas mãos.
Então quando voltei comentei o que eu estava pensando. Ela levantou da mesa e me deu um abraço tão forte, que parecia que eu estava protegido pela a minha vida inteira.
Fomos deitar, eu adormeci num sono tão longo que parecia que eu estava entrando num portal mágico que daria ao reino dos sonhos.
Sonhei diretamente com o mar tão lindo e manso, e o céu de noite cheio de estrelas e muito escuro.
Gabriel Henrique Melero
Enviado por Gabriel Henrique Melero em 11/08/2006
Código do texto: T214376
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gabriel Henrique Melero
Curitiba - Paraná - Brasil, 21 anos
7 textos (264 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:22)
Gabriel Henrique Melero