Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
"INDIGNAÇÃO"
        Muito jovem Valéria se aposentou, e mesmo antes de fazê-lo, já havia decidido pela adoção de um bebê. Projeto diversas vezes adiado, este seria o momento apropriado.
Dirigiu-se ao Fórum, preencheu alguns formulários, fotografou a casa como solicitado, tirou atestado de bons antecedentes, xerocou contra-cheques, e etc e tal. Economicamente não faltaria nada para seu filho, e mesmo não sendo uma fortuna, seus proventos seriam suficientes para viverem muito bem.
Meses depois, a assistente social do Fórum veio até seu endereço residencial (depois dela limpar o pó da estante, perfumar a casa e colocar flores no vaso), mediu o tamanho dos aposentos e fez suas anotações, com rosto severo e sem sorrisos. Valéria ofereceu-lhe café, e ela o recusou. Na sala o microcomputador e a televisão, na parede o diploma de Culinária da Escola Feminina; uma cozinha pequena conjugada, box blindex no banheiro, espelhos no quarto, uma mesinha com retratos, e outros objetos personalizavam seu ambiente. Naturalmente, isso é irrelevante, o que importava era o imenso amor que ali transcendia.
      Passou pelas mãos de Valéria, uma Revista Cláudia de Novembro/2000, onde constava um pequeno texto sobre Mulheres nos Tribunais: “A nova safra de juízes do Estado de São Paulo é composta, em sua maioria, de mulheres e jovens. Dos setenta aprovados no último concurso para a magistratura, 52 % são do sexo feminino, e 67 % tem menos de 25 anos”. Que bom!... - pensou consigo, gente nova, idéias novas, certamente a sociedade só teria a ganhar.
Também encontrou nesse meio tempo, uma ex-funcionária da Casa da Salvação, uma entidade de ajuda humanitária, a Marron. Esta a informou que, uma linda menininha fora abandonada, lá na Creche Amparo Maternal, e a mãe que a gerou logo a doou, nem quis ver seu rostinho, contou-lhe com pesar. Foi então, que tomou conhecimento do elevado número de bebês rejeitados, e largados nesta Maternidade Amparo, e em seguida encaminhadas a essa Casa da Salvação, onde aguardavam por famílias de bom coração que as adotassem.
     Valéria foi até a Casa (da Salvação) ver as criancinhas, e a responsável logo foi lhe avisando:
     - Custa caro manter uma criança, uma lata de leite especial custa seis reais! - e media com o olhar a visitante, tentando desestimulá-la a continuar em seu projeto.
Ela não entendeu muito bem o que havia por trás das entrelinhas. Continuou a fazer o enxovalzinho de seu filho, com todo carinho do mundo. Buscou conselhos das amigas, começou a ler artigos sobre cuidados com as crianças, e fez um estudo sobre “Shantalla”, uma massagem especial para bebês. Enfim, programou-se para recebê-lo.
     Umas semanas depois, foi chamada ao Fórum para uma entrevista com a psicóloga. A tal psicóloga não possuía mais que 25 anos, e durante uma hora questionou a vida afetiva e familiar de Valéria, risonha e faceira feito um calouro em primeiro dia de aula.
     Dois meses depois recebeu um chamado para audiência com a Mma. Juíza. Prontamente se apresentou.  
Com a serenidade das mulheres sofridas e experientes, que carregam na face um sorriso de paz, porém incauta, postou-se a sua frente.
      - Porquê a Sra. abriu este Processo de Adoção? – indagou a juíza.
     - Sempre desejei ser mãe, ter uma família; fui casada, fiquei grávida e perdi meu filho. E, desde então, penso em adotar um bebê, têm muitas crianças abandonadas nesta cidade. Crianças precisam de um lar, de uma mãe.
      - A Senhora não tem perfil de mãe! – declarou laconicamente.
    Valéria emudeceu. Só conseguiu ficar com a boca aberta e os olhos arregalados, fitando incrédula aquela mulher vestida de juíza.
     - Tudo neste Processo, o Laudo Técnico... me diz que “não é apropriado entregar-lhe uma criança em adoção” – leu num relatório assinado pela psicóloga.
     - Preferem deixar as crianças jogadas na rua?!... Pobrezinhas inocentes ao relento?! – indagou atônita, com um nó na garganta e com uma lágrima inundando seus olhos feridos.
A Mma.Juíza tentou, com uma resposta evasiva, explicar–lhe que uma criança precisa de um lar adequado... Que um bebê precisa mais do que a solicitante teria para lhe dar.
Valéria fixou o olhar naquela mulher fria diante de si, toda bem vestida e cheia de jóias. Se não tivesse absoluto controle sobre si mesma, não teria ficado nem mais um minuto ali.
A tal psicóloga tinha anotado no laudo tecnico: “A Senhora Valéria tem um contato tênue com a realidade".
Imagine você, uma pessoa que estudou numa Universidade, que trabalhou numa Instituição Financeira nos últimos 30 anos, casou e se separou (o que pode acontecer a qualquer um de nós), que nasceu no interior em meio ao verde das matas, que passou suas férias viajando em excursões pelo país, que jogava vôlei no time da Faculdade e tudo o mais ... diga-me você, caro leitor, "esta senhora poderia ter um frágil equilíbrio?” Será que uma pessoa bacana como Valéria, merecia ouvir dessa psicóloga retrógrada, que “a adoção poderia colocar a criança em situação de risco emocional e até mesmo concreto?!”
     Valéria reviu diante de si: Aninhas, Ninas, Elaines, Paulinhos, Luizinhos, Zezinhos, e muito mais meninos e meninas de rua, que diariamente via passando ante seus olhos, naquela temível São Paulo. Por acaso, essa quantidade imensa de crianças largadas pelas ruas não estava exposta a todo tipo de risco e de violência?!
     Encerrada a audiência, a Mma. Juíza a aconselhou a fazer algum trabalho voluntário, ou arranjar um namorado, ou fazer terapia com alguma psicóloga. Mas, Valéria já era voluntária na Associação Brasileira de Voluntários em Musicotepia, e fazia um excelente trabalho na recuperação de excepcionais, desprezados pela sociedade, onde colocava todo seu amor e dedicação pelo ser humano. Poderia contar sobre isso, mas, não iria “mendigar” apoio da Mma. Juíza. Preferiu se calar, pois nenuma palavra seria suficientemente convincente a essas alturas. Retirou-se calmamente.
        Dias depois, voltou a procurar a Marron e lhe relatou o triste desfecho de seu pedido de adoção.
     - Não imaginava que fosse vivenciar momentos tão amargos. Se há tantas crianças sem um lar, diga-me o porquê disso tudo?! – questionou Valéria.
Na sua humildade e visível temor, a Marrom, procurou as palavras apropriadas, e docemente lhe falou:
     - Sabe aquela grandona, a Assistente Social?!... Pois é,... ela prefere dar as crianças em adoção aos estrangeiros.
      - “Dar?... O que os estrangeiros têm que nós não temos?” - ela custava a acreditar no que acabara de ouvir. O silêncio se fez.
     Valéria voltou a passos lentos para casa... Seguiu olhando os meninos pedintes nos semáforos com profunda tristeza. Embalou as lindas roupinhas do seu tão sonhado bebê e as guardou.
      Quanta indignação!!!


____________________________________
 
P.S.: este relato é verdadeiro, os nomes foram trocados para preservar a identidade dos mesmos.

Izabella Pavesi.
Izabella Pavesi
Enviado por Izabella Pavesi em 27/08/2006
Reeditado em 06/07/2015
Código do texto: T226826
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar o nome do autor e o link para a obra original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Izabella Pavesi
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
263 textos (29855 leituras)
2 áudios (66 audições)
2 e-livros (530 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:27)
Izabella Pavesi

Site do Escritor