Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Parafraseando, Ernest Hemingway

Estavam em meados de setembro de 2006. Faltavam apenas alguns dias para as eleições que aconteceriam em seu País.

O quadro que se delineava era aterrorizante. O analfabeto e desqualificado que os governava fazia quatro anos estava prestes a se reeleger. Certamente seria uma catástrofe.

O que mais assustava, entretanto, era a passividade com que aquele povo reagiu às constatações apuradas de má administração da coisa pública. A imoralidade prevalecia como meta a ser seguida em todos os escalões do geverno.

No primeiro mandato que ora se encerrava só fizera, ele e seu governo, roubar, roubar e roubar... Uma lástima para um partido que a vida toda tentou chegar ao poder com o discurso "falso" da sua preocupação com a desigualdade social que jurou acabar.

Para variar, falácia pura. Como nunca governaram nada de forma decente, ao assumirem o Governo Federal encheram os próprios bolsos com dinheiro público e que se danem as desigualdades sociais em face das quais, em seus discursos demagógicos, alicerçaram suas campanhas objetivando chegar ao poder pelo poder, em busca de seus benefícios próprios e em detrimento do povo.

De repente, os sinos da catedral que estavam mudos há anos começaram de uma ora para outra a tocar sem qualquer interrupção; não havia motivo aparente para aquele acontecimento.

Malaquías, o bêbado mais conhecido do lugar pelo seu senso crítico e humor aguçado, ao ouvir a pergunta de um dos moradores do local que estava próximo dali - Por quem será que os sinos dobram? - de pronto respondeu sem pestanejar:

- Tomara que seja em homenagem à morte do Presidente e de seu incomPeTente e corrupto partido.

Certamente, se a frase profética do etílico cidadão se confirmasse seria a Carta de Alforria daquela Nação solapada com tanta corrupção, desmandos e total falta de ética no trato da coisa pública, que foram os únicos predicados constatados pelo povo, de que são possuidores os seus governantes atuais.

Portanto, QUE OS SINOS DOBREM, O MAIS BREVEMENTE POSSÍVEL e liberte de vez esta Nação, da Camarilha que a defraudou em todos os seus aspéctos: social, econômica, moral e ética, de uma forma vergonhosa jamais vista até hoje.
Ágora Atheniense
Enviado por Ágora Atheniense em 05/09/2006
Reeditado em 08/09/2006
Código do texto: T232956
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ágora Atheniense
Araraquara - São Paulo - Brasil
23 textos (1231 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 07:37)
Ágora Atheniense