Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM HOMEM MEIA BANDA

Sou um homem meia banda.
Sempre lutei pelas coisas que para mim,
por mais simples que pudessem parecer, tinham e tem
valores imensuráveis.

Um animal abandonado,
um pássaro ferido, seu canto sofrido, um jardim...

Oh Deus, eu plantei tantos!
Reguei com tanto amor e carinho, e tão delicadamente
retirei os predadores naturais de suas folhas, com o cuidado
necessário para não quebrar seus galhinhos tão frágeis,
nem destruir suas flores ainda tão por vir...

Uma criança, uma poesia, uma canção, um sorriso;
Uma árvore, um lago, um rio.
O Natal, o Ano Novo, um amigo, um peito, um abrigo.

Sou um homem meia banda.

Porque a coisa mais bela e tão comum
ao mais simples dos mortais, não tenho mais.

Uma Família.

Lutei tanto para construir nosso castelo.
Tantas noites acordado, às vezes cantando, outras chorando, dia e noite trabalhando no afã de dar-lhes uma vida melhor - a que não tive.

Sou só.

E procurei em mim toda a responsabilidade pelas ausências, da forma que sempre me foi perversamente imputado,
e só encontrei lágrimas e dor.

Mas ainda tenho a dádiva de poder abrir os olhos
e contemplar o passado e a saudade, no horizonte distante
e solitário de um pôr-do-sol melancólico.

Deus em sua fúria desumana
não apagou em mim esta memória e nem tão pouco tirou a possibilidade inalienável de amar de novo.

Por favor filhos,
estejam mais presentes na vida dos seus pais, mesmo
que não coabitem juntos.

Por favor pais,
sejam menos ausentes na vida dos
seus filhos.

Para que não aconteça que chegando sorrateiramente
a morte, e nos entrelaçando em seus braços, não nos arrependamos de não termos tido mais tempo.

Para dizer - oi.

Eu sei da tua dor e não vou compará-la
a dor nenhuma, e nem tampouco
tentar minimizar o que sentes, somente sinto-a em mim.

 - Perdão.

 - Estou aqui.

 - Te amo.

 - Você é muito importante para mim, eu
me importo com você.

Amigos (as)
Larguem tudo que estiverem fazendo agora e voltem para casa, deem um abraço em seu pai, um beijo em sua mãe e digam aos seus irmãos: eu amo muito todos vocês!

Aracati, 20/08/2006 - 2:40 da manhã.
Carlos Medeiros
Enviado por Carlos Medeiros em 11/09/2006
Reeditado em 17/03/2010
Código do texto: T237606

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Carlinhos Medeiros http://www.recantodasletras.com.br/autores/carlinhosmedeiros). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Medeiros
Aracati - Ceará - Brasil, 56 anos
45 textos (5257 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 07:57)
Carlos Medeiros