Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"O PRÊMIO"

   Madalena sonhava com o prêmio acumulado da “Mega Sena:”

                VINTE E SEIS MILHÕES!!!..

                         Deus, eu preciso ganhar esse dinheiro...  E sonhava... sonhava, sonhava e fazia mil planos...

Sim, mas é claro que iria ganhar, o prêmio seria seu,   a esperança a animava e a deixava excitada. Já fazia planos, sentia cócegas nas mãos só em pensar nas notas novinhas estalando entre os seus dedos...

                        Compraria um torno novo e maior para a oficina do Osvaldo, o maridão,
depois mudaria a oficina para um espaço maior.  Compraria até um carrinho novo, (já que o dele, de segunda ou terceira mão), estava com a lataria muito velha apesar dos esforços que ele fazia em o conservar.   Aumentaria um pouco a casa, os filhos crescendo necessitavam de mais espaço... Compraria até um computador para Zezinho, igual ao da escola, “senão, quando terminar o curso fundamental, não encontrarei emprego”, como sempre reclama comigo quando o tiro da rua e o   obrigo a estudar...

 Para si mesma, só compraria um par de botas de rodeio, que achava lindas!.Ah, consertaria também os dentes, que às vezes doíam por motivo de algumas falhas na boca...  Aí, sim, poderia sorrir à vontade...Ficou sabendo que rico ri á toa, e queria de agora em diante rir e sorrir bastante!

Andava ensaiando muito imitando uma artista loura de nome muito complicado que vira na televisão  fazendo mímicas. Prestava muita atenção em seus trejeitos e todos os dias, se punha à frente do espelho e começava o ensaio. Entortava um pouco a boca para a esquerda, depois para a direita (que considerava o seu lado fraco) e já esboçava até um sorriso meio torto, sem graça, analisando seu progresso. Ensaiava uma gargalhada silenciosa, como lhe ensinara a vizinha que aprendera o truque nos livros, segurava a musculatura da barriga, mas o som ainda não saia, mas ela insistia , não iria desistir...
ha - ha – ha - ha
                          ha - ha – há – há!...

        Qual nada!... Reiniciava o treinamento no dia seguinte e nos subseqüentes, e estava ficando apavorada com o prazo...

      Fechava a porta do quarto, em casa já começavam a estranhar suas atitudes. Sorria, já não tão sem graça, mas dentro de mais alguns dias deveria estar ótima!... se Deus quisesse!!! (e Ele haveria de querer, é claro...)

        ha - ha - ha - ha
                                                   ha - ha - ha – há

Já ria bastante alto, que bom, iria conseguir!... ha – ha – ha – há...

 - MÃE !!!  Tá ficando maluca?  Rindo sozinha pro cê mesma no espelho? Tá maluca, mãe, tá?

Ô céus, agora que já estava na última semana de treinamento, com três senas acumuladas, o volantezinho pronto nos pés de Santo Antônio, lá no seu
         quarto, e já quase gargalhando, apareceu-lhe esse moleque para atrapalhar seu barato... E agora?  Se der azar, meu Deus, não vou poder nem ficar rindo para parecer com os ricos que riem à toa...

                   Nem pude dormir naquela noite, tão ansiosa e preocupada fiquei, com medo do azar...

 É, foi azar mesmo, passei longe dos números sorteados,  mas estava propensa a ganhar, pois o prêmio saiu para Minas Gerais e eu sou mineira...


               - Êta miséria danada!!!...

                         _________________________________________________________





Linandre
Enviado por Linandre em 12/09/2006
Código do texto: T238644
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Linandre
Itabira - Minas Gerais - Brasil
244 textos (18333 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 09:03)
Linandre