Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Senso Comum

SENSO COMUM

Tenho admiração pelas pessoas humildes que moram nas regiões mais abandonadas da zona rural, onde a seca transforma toda a beleza da paisagem em um deserto. O chão, esturricado pelo sol que queima as plantas e mata os animais deixa os viventes à mercê da sorte. E o sofrimento em dose dupla não consegue matar a fé e a esperança nessas pessoas. A angústia presente no coração do homem citadino não atinge na mesma dimensão o homem do campo. O contato diário com a natureza que lhe dá a sabedoria necessária para conviver com todo tipo de problema, dá-lhe também o alento para os dias difíceis. É nessa convivência harmônica entre homem e meio que encontra a resposta para tantos problemas. Aprendeu, desde cedo, a fazer a leitura de tudo que o cerca. Perscruta os sons da floresta, observa a lua e as estrelas e também a direção dos ventos. Nessa sábia observação que não aprendeu nos livros, nem nas escolas, esconde-se toda a sabedoria desse homem. Ele sofre, porque não sofrer seria prova de insensibilidade, de dureza de coração. Seu sofrimento, porém, não é um sofrimento antecipado, lamuriante, que cansa, que enfadonha a quem ouve. Há no rosto crestado pelo sol, nas rugas precoces um olhar envolto em expectativa de dias melhores.
Foi assim que conheci Celina e foi isso que vi no seu rosto. Conhecia o problema da seca devastadora na sua região, mas não sofria por antecipação, não se desesperava. Procurava num sinal da natureza e na sua fé em Deus, a vinda da chuva que se ausentara há muito tempo.
Celina é dessas mulheres fortes, guerreiras, que não se entregam. Sempre me encontro com ela. Na rua, quando vem resolver qualquer problema na cidade; na minha casa, quando aparece para me visitar. Com o sorriso de sempre, me dá notícias da sua família, do seu lugar, me fala da sua vida. Jamais a vi abatida. Não se acabrunha com a situação difícil em que vive com o marido e filhos. A sua roça, mesmo ameaçada pela seca que castiga a região, não lhe tira o prazer de viver, nem a confiança em dias melhores. Celina é feliz daquele jeito. A alegria de estar com os filhos sadios, ter um companheiro fiel a seu lado e muitos amigos não a deixam fraquejar. Isso ela me disse por ocasião de nossas conversas.
Certo dia, ao tomar café comigo, na cozinha de minha casa, ela me disse:
-Perdi meu emprego, mas a fé em Deus me dá o sustento que preciso.
Eu quis entender que a fé de Celina em Deus, lhe dava a força de que precisava para ir à luta, não se acomodar.
Celina era merendeira de uma escola da sua região. Responsável, dedicada, cuidadosa e caprichosa, foi escolhida pela comunidade para fazer a merenda e zelar pela escolinha rural, com vinte alunos matriculados, que adoravam saborear a merenda que ela fazia. Perdeu o emprego. Mas perdeu o emprego, por quê? Foi a minha pergunta imediata. Ela só sabia que chegara outra para ocupar o seu lugar. Nenhuma explicação recebera de quem, por dever, devia dar. Valeu a pena? Quem sabe valeu para Celina que deixou saudade na gurizada. Valeu a pena para o político que a dispensou e que dissera às crianças e aos pais que eles não mandavam ali? Que agora a coisa era diferente e quem decidia era ele? Atos arbitrários assim voltaram a ser praticados nesta cidade, onde o autoritarismo permeia todos os órgãos públicos. Procedimentos como esses machucam as pessoas e deixam marcas porque ferem a sua sensibilidade.
O fato é que Celina não se abate. A mesma calma, o mesmo sorriso, a mesma fidelidade. E, diante da seca implacável, sem ter mesmo água para beber, ela confiava. Não nos homens que a ignoraram, mas em Deus e nos amigos. E ela era uma pessoa de muitos amigos.
Numa simplicidade que lhe era peculiar, disse-me ainda nesse dia:
-Quando a jurema preta “fulorar” e nóis ouvir o ronco do motor, daí três dias chove.
Fiquei sem entender e lhe perguntei:
-Celina, isso é verdade? Que motor é esse?
E ela confiante, respondeu:
-Não sei que motor é esse não. Mas é daqui de Brumado. Deve ser o vento que leva o ronco até nóis.
Passados alguns dias, Celina volta a minha casa. Era dia de quarta-feira. Chovera toda a noite e continuava chovendo. Como de costume, convidei-a para tomar café. O mesmo sorriso, a mesma confiança na vida, a mesma fé em Deus. Então, lhe fiz a pergunta?
-E aí, Celina, choveu por lá?
Celina, com um gesto de confirmação, falou a seguir:
-A jurema preta fulorou e o ronco do motor chegou pra nóis ouvir. Daí três dias choveu. Deus é grandioso!
Quanta sabedoria essa gente simples tem para nos ensinar! O conhecimento da natureza, das transformações por que passam as plantas, os animais e os elementos cósmicos fazem dessas pessoas criaturas sábias.
A sabedoria de Celina, portanto, reside no saber viver em harmonia com a natureza, saber sofrer e sentir a dor no tempo certo, sem antecipação e lamúrias, mas acreditando que tudo tem um fim. A vida é um acontecer de fatos, mas a sabedoria do silêncio nos leva à contemplação e, conseqüentemente, à compreensão dos acontecimentos, mesmo os mais difíceis para suportar.
Cecília Meirelles disse: “Sede assim qualquer coisa, serena, isenta, fiel. Não como os demais homens”.
Com essas elucubrações sobre a vida, percebi que Celina encontra, como disse Augusto Cury, um oásis em um deserto e nunca vê, como os perdedores os raios, mas a chuva para cultivar.
Na crítica a esse senso comum é que os cientistas constroem o conhecimento científico, questionando, reformulando esse saber para se chegar ao saber científico.
Mena
Enviado por Mena em 14/09/2006
Reeditado em 14/09/2006
Código do texto: T240089

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mena
Brumado - Bahia - Brasil
539 textos (113488 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 08:12)
Mena