Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lembranças do futuro

Confesso que  me sinto desconfortável quando ouço notícias sobre a venda de lugares em filas no INSS. Pessoas sem escrúpulos fazem da doença e da miséria dos outros um meio de obter algum lucro, perpetuando a famosa Lei do Gérson.

Penso , então, nos velhos e no papel subalterno que lhes  foi destinado neste filme nacional, com produção pobre e sem efeitos especiais. Pois ser velho, neste país, é depender das migalhas da aposentadoria, dos parcos e deficientes serviços de saúde e ingressar num ostracismo cultural e existencial, salvo raríssimas exceções.

Relegado pelos filhos, muitas vezes confinados em instituições geriátricas, o idoso parece fazer um estágio para a morte. Carentes de carinho e consideração assistem manhãs e noites se sucedendo e esperam por um domingo de visitas, quando elas acontecem...

Que ironia, nas sociedades tribais o trato com o idoso é mais civilizado. Nestes grupos, eles representam os sábios, os pajés, aqueles que transmitem a tradição oral a seus descendentes. Vistos como repositórios de sabedoria, gozam de posição e prestígio.

Nos países orientais, o culto aos antepassados continua muito presente, influenciado pela educação e a religiosidade. Fotos de avôs, tataravôs e antepassados, adornam os altares e oferendas são endereçadas a eles. Os jovens se dirigem aos mais velhos de forma respeitosa, quase cerimonial.



Infelizmente, estamos no Brasil, onde ter quarenta anos é quase sinônimo de aposentadoria  profissional. País em que o essencial  para a mídia é os corpos sarados, as intrigas do show business, o rosto sem rugas, esses signos de juventude e futilidade...

Do alto de meus quarenta e seis anos, olho adiante e sinto vertigens. Que país irá me aguardar quando as rugas mapearem meu rosto, a aposentadoria abrir as portas e meus lapsos de memória aumentarem...

Enquanto isso, teimosamente escrevo e tento dar um testemunho de meu tempo. Quem sabe não aspiro a esta “imortalidade”, a ser desencavada nos chips e semicondutores do futuro. Uma nova Era de Aquarius, magicamente, a unir jovens e maduros, todas as tribos, como naquela “aldeia global”, que Marshal Mac Luhan falava. O futuro dirá...



Ricardo Mainieri
Enviado por Ricardo Mainieri em 21/09/2006
Reeditado em 22/09/2006
Código do texto: T245748
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Mainieri
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 56 anos
1915 textos (29349 leituras)
1 e-livros (105 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 15:54)
Ricardo Mainieri