Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM VOTO CONTRA A CORRUPÇÃO



Procura-se: COMANDANTE PARA NAVIO SEM LENE E SEM DIREÇÃO.

Se esse anúncio fosse publicado nos classificados dos jornais, de todo país, na amanhã seguinte, haveria uma fila quilométrica na porta da redação.
Pode parecer utopia; mas é mais incontestável verdade.
Somos um navio sem leme. Um navio que de quatro em quatro anos carece de eleger um Comandante  para o conduzi-lo pelo tortuoso mar das incertezas e guiá-lo para o  inóspito porto das “Terras do São Nunca”.
Cada um de nós, o mais elevado membro da tripulação ou o mais desprezível passageiro, tem o direito constitucional de postular o galardão de Comandante da   paradisíaca e titaniaca galé chamada Brasil.
Advirto, no entanto, que, os postulantes que almejarem cumprir tão gloriosa e espinhosa  missão, deve superar a única exigência para o cargo: estar em pleno gozo dos direitos políticos.
E neste contexto, não há muito para exigir.  Se o Candidato souber soletrar o verbo gozar no indicativo presente do subjuntivo; ele é suficientemente competente para nos conduzir ao atoleiro.  Nada se pode fazer.
 
NEM SÓ DE FALSAS PROMESSAS SE FAZ UM BOM CANDIDATO.
Se por um lado os candidatos não precisam de qualificação; de outro, logo descobrem que terão uma enorme dor de cabeça para escolher seus assessores e estrategistas de campanha.  O mercado é frutífero.  Oferece toda sorte de profissionais de qualidade duvidosa ou com prazo vencido.  É por essa razão que a experiência nas cores partidárias sempre será o melhor e mais seguro caminho e ensinamento a ser seguido e buscado.
Caminhos ou vertentes partidárias são moedas de troca no mercado eleitoral.   O Candidato não precisa se preocupar com a chamada fidelidade. Basta acordar.  Acordar no sentido de fazer acordo.   Um acordo aqui outro aculá e, tudo se resolve na mesa de um “paraíso fiscal”.

Lições estratégias e outras artimanhas políticas podem ser aprendidas em qualquer manual de auto-ajuda.  Contudo,  três são imprescindíveis.
A primeira lição exige que o Candidatavel vista a máscara de cara-de-pau e nesse firme propósito seja capaz de enganar até a si mesmo.
A segunda, que, para separar o joio do trigo, a solução é plantá-los na mesma cova e rezar para que o pior não aconteça.  Se eles se derem ás mãos e crescerem além da expectativa, certamente irá sufocar o Candidato.  Aí, adeus Governo.
A terceira é uma variação das duas primeiras. Todo Candidato têm que saber chorar lágrimas de crocodilo como se fosse uma donzela desvirginada.   E se for preciso, jurar que de nada sabia; que é tudo culpa da oposição, da opinião pública que se deixou manipular pelos meios de comunicação, ou de um bando de aloprados que querem desestabilizar os pais.
Assim, encerramos o capítulo das lições que não podem e não devem ser desprezadas por qualquer Candidato.  Todavia, só existe uma única razão para que tudo o que foi planejado e executado atinja o resultado almejado: A pesquisa de intenções; também conhecida como IBOPE.  Dizem os especialistas que essa é única ferramenta infalível para prever o imprevisível.

QUEM É CAPAZ DE PREVER O QUE O ELEITOR  VAI DIGITAR NA URNA?
Este é um tema que merecia um capítulo especial.  Contudo, considerando que a hora já é chegada, não temos tempo para achismos e divagações acadêmicas.
Votar é um ato insano; já afirmava Nicolau Copérnico.  Não o matemático;  mas o diretor do hospício das Sagradas obras de São Tomé.  É preciso ver para crer.
O ato de votar é tão insano que você pode dormir eleitor e acordar derrotado.  Basta que o eleitor, não vá votar por julgar que seu Candidato já ganhou. A experiência nas urnas não nos deixa mentir.
Mas esse não é o único temor a ser digerido pelo Candidato.  No presente momento em que vivemos e assistimos o ressurgir de efeitos colaterais que podem jogar por terra toda uma estratégia de voto, até então bem sucedida.
Exemplificando: que  tal o efeito dossiê; o efeito sanguessuga; o efeito mensaleiro; o efeito cadê meu dinheiro da cueca.
Ora direis, não me atinge.
Mas suponhamos que o eleitor resolva, com a passividade que lhe é natural, digitar um VOTO CONTRA A CORRUPÇÃO.
O que ocorreria?  De certo, mingúem se elegeria.
Mas esse é um acontecimento impensável.  Ninguém em são juízo, vai querer que o navio sem leme e sem direção fique, por quatro anos, sem comandante.  Resta a vã esperança de, na pior das hipóteses, elejamos o menos pior.
Com bem sabemos, corrupção não tem cor nem bandeira.  É possível encontrá-la nos quatros cantos da terra. Na torcida do Flamengo ou do São Raimundo.  No inferno ou no paraíso.   Alguém duvida?   Se duvidar é porque já não é mais capaz de lembrar que Eva se deixou corromper por uma singela maça.
Antonio Virgilio Andrade
Enviado por Antonio Virgilio Andrade em 29/09/2006
Código do texto: T252190
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Virgilio Andrade
Riacho Fundo - Distrito Federal - Brasil
152 textos (16227 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:43)
Antonio Virgilio Andrade