Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sorte ou atitude?

Sorte ou atitude?

Toda pessoa frustrada diz que tem azar. Que tem falta de sorte. Jamais afirmam que não tem talento, perseverança ou, simplesmente falta de atitude e racionalidade, falta de perspicácia. Justificam suas misérias pela alegação de ausência de sorte.
Sorte. Fácil falar dela, ninguém sabe bem o que ela é. Já cheguei a pensar que ela é uma forma de justificar a vitória sem assumir os próprios méritos. Um escudo para o humilde não se vangloriar, e uma defesa para o frustrado, para o covarde não se declarar um fracassado ou analisar suas falhas.
“Eu não tenho sorte no amor”- a maioria das pessoas que me falaram isso são aquelas que dentre todas as escolhas possíveis conseguem se atrair e se deixar envolver pelas piores. Falta, talvez, segurança pessoal e inteligência emocional para, antes de escolher com quem se “deitar” (como diria o Caetano), saber escolher quem merece sua estima e confiança.
Certas mancadas são humanas, o errado é a reincidência no mesmo erro. Para tanto cada pessoa possui um cérebro, em tese pensante, e uma consciência que, diz-se, deve “funcionar”, se ainda assim não se conseguir controlar os ímpetos que levam a frustração, o melhor é comprar joelheiras e aprender a andar de quatro.
“Eu não tive sorte nos negócios”-esta se o mundo fosse uma emissora de televisão seria a “campeã de audiência”. Aquelas pessoas precipitadas, que, de fato não possuem talento nem perseverança para crescer adoram dizer isso, e, pior, para desmerecer o talento alheio dizem “aquele lá teve estrela, teve sorte”. É fácil se esconder atrás do metafísico e não assumir a própria responsabilidade pelo fracasso.
Talento, isso sim, não são todos que possuem, mas pode ser desenvolvido. Inteligente não é aquele que sabe demais e tem consciência disso, mas aquele que sabe quais são seus “pontos fracos” e se esforça para superá-los, para crescer. Inteligência sem atitude é desperdício, é como dar filé mignon para os porcos degustarem.
Feliz é o homem de atitude. Aquele que não tem medo do amor, que não se esconde atrás de sua covardia e lamentações, é aquele que fala o que pensa, e pensa no que sente. Feliz é o homem que faz seu próprio caminho com racionalidade, perspicácia e perseverança - segredos do sucesso do homem em qualquer empreendimento.

Cláudia de Marchi

Passo Fundo, 26 de setembro de 2006.
Cláudia de Marchi
Enviado por Cláudia de Marchi em 02/10/2006
Código do texto: T254320
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cláudia de Marchi
Passo Fundo - Rio Grande do Sul - Brasil, 34 anos
12 textos (960 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:31)
Cláudia de Marchi