Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PUM DO REI



O rei de um reino fictício ficou doente. Como era um homem vil, o inferno já foi preparando o lugar para alojar a sua alma. Então veio um diabo, não o chefe, e sem pedir licença pendurou no fiofó do rei um saco, pois, segundo a lei de satã, a alma desse tipo de gente sai por ali. O rei comia muito bem à custa do pobre povo que se esfalfava de trabalhar para sustentar a corja real. Naquele dia ele estava empanzinado, almoçou seu prato favorito: repolho (a cegueira), cebola (a surdez) e ovos cozidos (a ignorância) regado com o vinho do cinismo.  A sua pança estava enorme.
O diabo esperava o último suspiro na primeira hora, nada.

O tinhoso estava impaciente e como o rei não morria nem fedia, ele se pôs a sambar sobre a sua barriga. O rei gemia, prometia, jurava, mas o demo não parava de pular. Então o rei levantou uma das pernas e soltou um pum tão grande que jogou pra bem longe o saco, todo melado, onde sua alma seria acondicionada. O capetinha ficou injuriado. Entrou em contato com o chefe para saber o que deveria fazer diante daquela situação esdrúxula. Recebeu o seguinte recado:

“Deixe que ele fique para a segunda hora. Devido ao rombo no cofre do inferno, não podemos contratar faxineiros. Já chega o cheiro de enxofre e se misturar com o de bosta não há diabo que agüente.”

04/10/06.

(inspirada na fábula medieval “O Peido do Vilão”)
Maria Hilda de Jesus Alão
Enviado por Maria Hilda de Jesus Alão em 04/10/2006
Código do texto: T256331

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Hilda de Jesus Alão
Santos - São Paulo - Brasil
848 textos (343258 leituras)
19 áudios (10580 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:45)
Maria Hilda de Jesus Alão