Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bodas de Coral

Trinta e cinco anos de casamento. Bodas de Coral.

Levantei-me como se fosse dia comum. E era. Café da manhã, jornal, chamadas telefônicas  para saber da família,   banho, programação para as horas seguintes.  Nada incomum. Mas, dei-me ao luxo de voltar no tempo.  (Nessa fase de vida a gente se permite, pois não há mais obrigações, nem horários rígidos)

Voltei lá para a rua onde morava. Como num filme vi meus pais, meus irmãos, as malas da viagem já prontas, o vestido branco pendurado na porta do guarda-roupas, os sapatos forrados, veio o cheiro da cozinha atravessando o corredor, prenunciando um almoço daqueles, para receber os parentes de fora. Lembro-me de ter espreguiçado, pensado no caminho a ser percorrido a dois, o medo de ter errado na escolha. Ri-me do noivo – futuro marido – quando me disse estar se casando “na marra” porque eu o teria posto “na parede”. Participara de um concurso que me levaria para a França, para Paris, para a Sorbonne!, com direito a acomodação, um pró-labore, passagens gratuitas de ida e volta. Fora aprovada e, depois de marcar e desmarcar o casamento por diversas vezes e diversas alegações não muito consistentes, tinha de decidir: ou casava ou ... desocupava a moita. Então, conversamos. Disse-lhe que dia 3 de julho próximo (estávamos em maio) eu me casaria ou iria embora. Fui bastante clara: para casar, ele tinha minha preferência. Se eu fosse para a França, não voltaria mais, tinha certeza. Ele foi para a casa dele meio cabreiro, voltou no dia seguinte mais confiante. “Ok, então vamos nos casar”, propôs. Aceitei.

Trinta e cinco anos depois, faço o balanço geral. Quatro filhos, três noras, um genro, três netas – outro ou outra a caminho, casa, carros, um monte de desilusões, outro tanto de frustrações, viagens felizes, alegrias sem conta, zilhões de momentos para serem guardados no coração, o dobro de felicidade, realizações a dois, tolerância, paciência e a certeza absoluta de que valeu a pena. Se valeu!
Lúcia Helena
Enviado por Lúcia Helena em 11/10/2006
Código do texto: T262084
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lúcia Helena
Franca - São Paulo - Brasil, 72 anos
15 textos (825 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:43)
Lúcia Helena