Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÃO LEIA!

O que você está fazendo aqui? Aparentemente não fui muito claro. Eu pedi para não ler. E, mesmo assim, você veio... E aqui estamos nós. Você e eu.

Meu cachorro também é assim. Eu digo: "Não pega essa meia Musashi!" E, quando eu vejo, saio de casa sem meias, porque um dos pés sumiu. É praticamente impossível formar o par novamente.

Acho que todos nós temos um pouco dessa coisa animal de ir contra as normas. Pelo menos contra as normas impostas e criadas por nós mesmos. Tipo, "Não pega essa meia!" é uma determinação minha e o Musashi parece ter essa estranha satisfação de me ver correndo descalço atrás dele, num frio desgraçado, logo de manhã... É claro que contra as normas da natureza não temos muito o que fazer. Ou alguém aqui já experimentou ficar longe do banheiro um dia depois de degustar aquela maravilhosa feijoada do restaurante da tia Lúcia?

Mas eu realmente pedi para você não ler, porque essa "crônica" (ou o que quer que seja esse emaranhado de letras) simplesmente, não trata de absolutamente nada que possa interessar. Provavelmente agora, você já está desistindo e partindo para outra (crônica). Uma que seja de verdade e não feita dessas pseudo-idéias que eu tenho. Faz bem. Faz muito bem agindo assim.

No caso de você ainda estar por aí, queria dizer que tenho contato com pessoas incríveis que sabem exatamente o que estão fazendo ao publicarem suas fatias de inspiração por aqui. Fico admirado. Fico emocionado. E, num rompante de pretensão, me jogo no meio de todos e aqui estou eu, publicando mais uma. Ou melhor, publicando mais um amontoado de palavras.

Como é gostoso ler aqueles textos onde as palavras parecem combinar tanto. Onde elas se encontram e se cumprimentam com a maior naturalidade. Parece até que o autor se esqueceu de que existe um mundo ao seu redor (ou um cachorro querendo roubar o seu chinelo) e fixou seu olho e sua mente em apenas um ponto: o final da sua história.

Eu nem quero ter essa facilidade (Mentira! Quero sim!). Essa facilidade em escrever sem rédeas. Se tivesse, iria ficar me cobrando. A responsabilidade seria grande demais. Então, me contento em degustar cada palavra e cada combinação de argumentos, que me elevam a uma esfera superior, cada vez que leio alguma coisa daqueles que considero feras nessa arte (Verdade! Me contento mesmo!).

A eles, não dedico essa "crônica" (até parece...). Seria uma ofensa. A eles, dedico o meu tempo e o meu entusiasmo. Vou ficar no meu canto. Só observando e me deliciando com toda essa aglutinação de pensamentos. Por enquanto, muito obrigado! Com certeza, vejo vocês por aqui.


PS. Esse texto poderia se chamar "Ode à Humildade", mas daí acho que ninguém, nem mesmo você, que chegou aqui embaixo, iria ler.

Musashi, volta aqui com esse chinelo!!!
Rafael Zanette
Enviado por Rafael Zanette em 24/06/2005
Reeditado em 08/07/2005
Código do texto: T27328

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rafael Zanette
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
52 textos (3630 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 14:49)
Rafael Zanette