Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Além da Imaginação...

Um menino pobre, com um brilho triste nos olhos, no meio de um shopping center... De repente me vi impelida a refletir, era um domingo em que os ônibus da cidade circulavam sem cobrar passagens, uma espécie de ‘brinde’ concedido pela prefeitura, e que acontece no último domingo de cada mês, o que nos remete a velha política do ‘pão e circo’, mas não vou aqui tecer argumentos a favor ou contra tal prática, esse é apenas o jeito que um menino da periferia mais periférica da cidade conseguiu chegar ao shopping naquela tarde.
Roupinhas sujas, joelhinhos ralados, cheios de casquinhas, cabelos quase raspados, magro e pequeno; imaginei ter oito anos, à vera, na curta conversa que tivemos, descobri que tinha treze, um adolescente raquítico, mas só na estatura, não estava ali por acaso, premeditou aquele momento, esperou o último domingo do mês, reuniu forças, e ousou.
Ele não pensava em roubar ou pedir comida; mesmo acostumado a sentir a dor da pouca comida no estômago diante do apelo era difícil controlar a vontade. Ah! Um sorvete, um hambúrguer, algodão-doce, refrigerante, pipoca, milk-shake; mas não, nada disso foi capaz de corrompê-lo; seu grande desejo, seu sonho, o objetivo que o levara até ali, era outro, inusitado, diante das circunstâncias, porém, arrebatador.
 Armado com sua coragem se posicionou na entrada do cinema, e ali, diante dos cartazes ou na fila do caixa esmolou o bilhete tão sonhado, humildemente, contudo, com audácia.
Incrível como tanta gente consegue não perceber uma presença dessas. Rodrigo não se abalava diante das caras feias, mal-humoradas, indiferentes. Ele prosseguiu, e entre centenas de pessoas raquíticas espiritualmente, interessadas tão somente em suas futilidades, três o ouviram, apenas três, e atenderam a seu pedido. Saiu no lucro o menino, além do bilhete, pipoca, refrigerante, e uns trocadinhos.
Pressupõe-se que eu fui uma das pessoas que o ouviu, não pense que nutro algum sentimento além da impotência, exatamente aquilo que Cecília sentiu ao interromper o sono daquele pobre cãozinho, “esta humana infelicidade de nem sempre poder socorrer, neste complexo mundo dos homens”, me senti inútil.
Mas, quase que como um consolo, sei também que nunca me esquecerei do Rodrigo. Esse menino que transcendeu a fome, o medo, a vergonha e foi além da imaginação, e que traz consigo um desejo, inato, de alimentar antes de tudo, a alma.
Consigo vê-lo encantado com os pássaros, boquiaberto com as árvores e com a cor do pôr -do- sol, hipnotizado com o brilho das estrelas e a brandura da lua, enquanto os outros meninos aprontam os estilingues, e as pedras.
Guardarei para sempre em minha memória aquele olhar, impregnou-me, quando sinto pena de mim, consigo ouvi-lo, bem alto, foi assim que aquela voz, um misto de debilidade e fortaleza, passou a ser meu termômetro espiritual. Que lição me deu esse menino!
 E, no ímpeto de querer ajudá-lo, disse algumas palavras a ele, talvez nem tenha prestado a atenção, estava tão feliz, com seu ingresso nas mãos. Meu desejo, não sei se ingênuo ou utópico, quem sabe possível, é que esse mesmo ingresso permita sua entrada em uma vida nova, foi o que disse a ele.
Que esteja predestinado esse menino, a viver melhor, a superar os inumeráveis obstáculos que encontrará. E que possa, num futuro próximo, comprar seus ingressos. Bem sei que isso não resolverá a situação da miséria do mundo, tampouco diminuirá a desigualdade social ou acenderá nos corações de todos o espírito de irmanação, todavia, almejar isso me conforta e, embora não seja o bastante, no momento, é o que me basta.
Letícia Germano Amaral
Enviado por Letícia Germano Amaral em 25/06/2005
Reeditado em 25/06/2005
Código do texto: T27707
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Letícia Germano Amaral
Canadá, 38 anos
2 textos (158 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:45)
Letícia Germano Amaral