Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EL NIÑO

                                         
Não chove há muitos dias,há muitas semanas, três meses quase. Inverno tropical de termômetros atarefados, oscilantes entre vésperas de sete graus e dias seguintes de trinta e cinco. A umidade ambiente é de 10%.
       Estamos, por assim dizer, secos, feito uva-passa. Nossa condição aquática protesta alarmada.
       Escolas fechadas até a próxima chuva. Hospitais, à beira do próprio colapso, congestionados por vítimas de desidratação, disenteria amebiana e problemas respiratórios. As plantações, parcialmente comprometidas umas, totalmente perdidas outras. A paisagem é amarelada e estéril. Árvores nuas, braços estendidos ao alto, pássaros invisíveis, cachorros de língua quilométrica nas ruas poeirentas. O gado anda magro, ruminando a memória de pastagens verdes, alto grau de alucinação bovina.
        Por toda a parte, gentes, árvores e animais são bocas abertas ao céu em grito uníssono.
        Estação das queimadas.  Todo o cinturão rural do município e dos municípios vizinhos está em chamas. Voracidade dantesca, parece que o fogo vai engolir o planeta. A fumaça densa envolve a cidade num véu cinza sufocante. O ar é pesado e dói respirar.
        No céu, o sol, espantosamente próximo, inclemente vermelho-brasa. E nem um fiapo branco, um projeto de nuvem sequer.
        Não há outro assunto. Nos bancos, nas lojas, nas bancas de jornais, as queixas multiplicam-se. Pessoas desconhecidas olham-se com mais atenção e cumprimentam-se na intimidade de quem se sabe no mesmo inferno. Mal contidas em seu estoicismo, medem, nas reações dos outros, a possibilidade de um primeiro gesto de pânico. Sem saberem, antecipam diálogos e medos, precursores de diálogos e de certezas, futuras décadas além, mas não muito.
       O país todo, o continente inteiro, tudo entregue aos desmandos e imprevistos da natureza em fúria. El Niño, corrente de ar quente do Pacífico, é o responsável pela traquinagem inconseqüente. É o que dizem. Como criança que é, não responde por estas inconveniências.
       Deveria responder por ele, o pai dos novos fenômenos, das catástrofes modernas que a cada ano se superam: o homem.  Ele mesmo, insuspeitavelmente o mais irracional dos terráqueos, escreve acabrunhado a Anti-História da História. O feiticeiro inteligente - agora embruxado, taidomídico, poluído, agora alérgico, canceroso, aidético, patético - trabalha com séculos de atraso no antifeitiço das coisas: discute ecologias, floras e faunas e remenda buracos no teto do mundo.
       Nas praças da cidade, faz-se a dança da chuva, mas a coreografia é sem graça, e os deuses dormem.
Anabela Bingre de Négrier
Enviado por Anabela Bingre de Négrier em 02/11/2006
Código do texto: T280444
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anabela Bingre de Négrier
Ponta Porã - Mato Grosso do Sul - Brasil
18 textos (1491 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:38)
Anabela Bingre de Négrier