Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

@ponto.com



Eu já fui um sobrenome quatrocentão, reconhecido e bem recebido, as portas se abriam quando eu exibia cheio de orgulho, meu pedigree.
Era bom ser prontamente atendido pelo gerente do banco, pessoalmente, como nos grandes magazines, nos restaurantes, um sobrenome importante era a chave para abrir as portas, garantir status e até um bom lugar numa sala de teatro.
Mas quem reconhece agora esse anel de doutor no meu dedo, quem aceita minha assinatura cuidadosamente delineada, estudada, analisada, se tudo que eu preciso para ser aceito é ser um @ ponto.com, é ter dinheiro de plástico e um ship de identificação? Não preciso de uma carteira com foto 3x4 e nem apresentar minha digital inexpressiva, querem a minha íris,  sou rastreado por satélites, monitorado por senhas secretas.
 
As portas obedecem a minha aproximação, ao calor do meu corpo, uma combinação de botões aquece o meu jantar congelado, se estalar os dedos controlo a luminosidade de cada cômodo da casa.  TV, DVD, CD Player, Tv a cabo, com controles remotos de todos os tamanhos e modelos se enfileram sobre os móveis. Sou despertado pelo meu celular, que também fotografa e manda torpedos, recebe e-mails, músicas e grava meus recados,  sem ele fico nu, e por ele sou sequestrado e assaltado.
Marco encontros, viagens, reservo hotéis e faço compras pelo computador, não tenho nome, tenho nicks e logins. Assisto conferências pela webcam, resolvo problemas profissionais pelo skipe e  namoro pelo msn.
Saio muito menos, trabalho muito mais, o cineminha agora é no DVD, a pipoca é do microondas.
Sou um humanóide dependente de muitas máquinas, já não sei se eu as monitoro ou elas a mim.
Há quanto tempo não me desconecto?
Há quanto tempo não sei o que é receber uma carta pelo correio, com letras de próprio punho?
Saudades de ver o sol nascer em cima do telhado, de receber flores perfumadas de verdade ao invés de fotos das flores do Himalaia.
Que saudades de receber telefonemas de carinho, de conversas despreocupadas, de risos estrondosos.
Saudades do churrasquinho entre amigos, da roda de samba regada de cerveja.
Saudade do correio elegante, da brincadeira de amigo secreto.
Ah como tenho saudades de me deitar em silêncio a meia luz e ouvir só o som dos pensamentos.
Vontade de voltar a ser só um ser humano de carne e osso, com um nome e uma casa pintadinha de novo e cheirando a lavanda.
 
Angélica Teresa Almstadter
Enviado por Angélica Teresa Almstadter em 07/11/2006
Código do texto: T284922

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Angélica Teresa Almstadter
Campinas - São Paulo - Brasil, 62 anos
1054 textos (55639 leituras)
25 áudios (3274 audições)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:13)
Angélica Teresa Almstadter