Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Valendo por Duas


VALENDO POR DUAS

O sol sem pedir licença adentrou no quarto de Marilu, que insistia em não abrir suas olhos diante de tanta claridade. Acorda Marilu,o dia lá fora está lindo sussurrava em seu ouvido. Ela gostava tanto de curtir seu travesseiro, de espreguiçar devagarzinho que não se incomodava com a pressa do “amigo sol”.
Mas era domingo, queria ver o mar. Adorava o barulho das ondas.  Apreciar a linha do horizonte. E deixar as mazelas da semana debaixo daquelas ondas que de tão forte quantas vezes tentou tirar seu biquíni.
Fez todo o ritual. Depilou –se debaixo do chuveiro, passou o protetor solar acariciando delicadamente seu charmoso corpinho, tomou um ligeiro desjejum e foi-se. A praia lhe esperava.
Seguiu para Luís Correia, linda praia que fica a dezessete quilômetros de Parnaíba. No percurso entregue a seus pensamentos, imaginava que tinha uma praia particular. Sempre deserta. Melhor assim, ninguém para poluir seu pedaço de mar, pensava egoisticamente.
A “Barraca do Darcy”, a mais movimentada não tinha mais que dois casais. Mesmo assim preferiu ficar um pouco mais adiante. Na verdade queria curtir o mar e o sol, não pretendia se empanturrar como a Gracinha. E falar na danada, olha quem está chegando. Ela, a própria e como vem carregada. O kit de praia da Gracinha era também uma “graça”. Um chapéu que cobria quase o corpo todo, uma blusa de manga comprida, uma canga que ia até os pés. Sem falar numa coleção de protetor solar. Meu Deus! Quanto medo de sol.
 Enquanto Marilu se estirava numa cadeira frente aos fortes raios de sol, Gracinha se escondia cheia de pano debaixo de uma barraca cheia de guloseimas.
E Marilu avaliava os valores. Enquanto Gracinha se preocupava em comer, saborear as iguarias do mar, acompanhada de uma farofinha que muito contribuía para aumentar sua pança, outros estavam preocupados com o visual. Não era sacrifício nenhum renunciar tudo aquilo para ficar com um corpinho esbelto e elegante, além de bronzeado.
E Gracinha tentava - a...Vem Marilu, o caranguejo está uma delicia. Marilu, esse peixe é pescada. Quer um pedacinho? Marilu esse sol vai lhe fazer mal. Você nunca ouviu falar em câncer de pele?
E Marilu, ria consigo mesma, lembrando-se de Paulo que dizia sempre “Quem bebe morre e quem não bebe morre também”.
Gracinha era insistente... menina você vai ficar preta. Vai pegar insolação. Sai desse sol Marilu.
Foi então que Marilu resolveu levanta-se da cadeira. Deu uma rodadinha sexy, baixou a alça do biquíni  para mostrar as marquinhas e perguntou com uma voz sensual e insinuante:

“Você nunca ouviu falar que uma mulher bronzeada vale por duas?”
Maria Dilma Ponte de Brito
Enviado por Maria Dilma Ponte de Brito em 11/11/2006
Código do texto: T288711
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Dilma Ponte de Brito
Parnaíba - Piauí - Brasil
305 textos (79332 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:05)
Maria Dilma Ponte de Brito