Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RIO PARAÍBA DO SUL

RIO PARAÍBA DO SUL
Quando meus pés, fincados no solo macio e permeável das ruas e avenidas da minha cidade, em correrias alucinantes, soltando pipas, brincando de pega-pega, caminhando na direção de um imenso e abençoado Rio, de onde eu e meus irmãos tirávamos a mistura que complementava o arroz e feijão temperadinho de mamãe, éramos felizes e nem sabíamos. Nós, seguindo a divina concepção do viver, crescemos e atingimos o período da reflexão, consideração, respeito e o amor consciente. Nessa consciência, rebuscada de culpas e ignorância, aliciados pelo tempo furioso, pela sua marcação implacável, acompanhamos impotentes, ainda que, tentássemos mudar seu destino, a morte do Rio. Suas águas, afogadas em misturas tóxicas, esgotos industriais e residenciais, disfarçam a agonia que se transformou em óbito. Declaro, através dessas linhas, redigidas pela alma e pelo sentimento de quem nasceu na Região do Vale do Paraíba, e que não se intimidou pelas ameaças que sofreu e sofre, em contestar os crimes ambientais, que o Rio Paraíba do Sul está morto. Os portos de areia, sangrando suas entranhas, aliados aos despejos de toda espécie de veneno em suas águas, cometeram o maior assassinato já registrado na história da nossa gente. E o que foi feito pelas autoridades “competentes”? As Ong´s, na maioria formada de voluntários, sem o corrupto dinheiro para comprar projetos, juízes, advogados, políticos, nessa desavergonhada enxurrada de imoralidade que avança pelo pais e mundo afora, quando se destacam no combate aos ataques aos nossos santuários ecológicos, são abafadas pela pressão dos poderosos e protegidos pelas “leis”. O conceito de ambientalista caminha contra o tempo e ainda é considerado como “pessoas que exageram na defesa da vida”. Nós exageramos e o Rio Paraíba do Sul morreu. Vejo a cada dia, ainda que nossos exageros nos levem para as ruas, calçadas, asfaltadas, impermeáveis, que não permitem as águas das chuvas de alimentarem nossos aqüíferos, em marchas de protestos, ações de conscientização, palestras educativas, que outros rios também morreram. Entendo, que a morte dos rios é a morte dos homens. Que a queda das árvores é a queda da humanidade. Que o extermínio dos animais é o extermínio do planeta. E só temos essa casa chamada Terra. O nosso Rio Paraíba do Sul é o maior duto de esgoto a céu aberto. Será que as verbas para sua recuperação não serão desviadas para contas em paraísos fiscais? Estou sendo injusto em pensar dessa maneira e me expressar com esse grau de indignação? Quem não tiver pecado que atire a primeira pedra...ou a primeira pá de areia....ou o primeiro litro de esgoto...ou ainda a primeira gota de resíduos industriais...ou ainda a primeira lágrima dentro do Rio Paraíba do Sul...na minha cara.

AKENATHON
Enviado por AKENATHON em 19/11/2006
Código do texto: T295385
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
AKENATHON
Caçapava - São Paulo - Brasil, 65 anos
8 textos (322 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:11)
AKENATHON