Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CENAS DE UM JULGAMENTO DIÁRIO



O réu estava indefeso...Sentado, calado, amarrado por amarras invisíveis. Já não chorava. Apenas ouvia e calava.
Atento ao promotor que o acusava e o agredia,estava o juiz pensativo. Tortura psicológica. O tempo passava. O júri olhava, ouvia, nada falava, pois não era o momento.
Momentos depois, o réu foi chamado a depor. Acusação: amar alguém do mesmo sexo. As pessoas falavam ao pé do ouvido coisa do tipo ”indecente”...
E sua voz não era ouvida. Porém em seu depoimento, disse: “Amo, amo muito
Sou leal, respeito gosto
Vivo pelo amor, e sei também, sou amado
Vivo escondido
Escondo o que sinto
Amo muito
Não pedi para me apaixonar
Para que condenar-me, enquanto o mundo suicida-se em guerras?
Posso estar errado aos olhos de todos, mas não nego o amor
Apenas digo: nossas vidas transformam-se em uma, no silêncio da noite
E, acima de tudo, a minha vida é dedicada ‘a outra...”
As pessoas estarrecidas, condenavam-no: indecente, imoral...
Sem advogado de defesa ( a não ser ele próprio), fora condenado ao isolamento, ‘a solidão, segregação...
E seguiu condenado.
Depois de passado algum tempo, sentiu-se fortalecido de alguma forma. Descobriu que seus opressores eram assassinos. Vejam só: um matou o vizinho por dinheiro, outro, além de assaltante, era pedófilo, explorando fotos de crianças, ainda u  terceiro chegava em casa bêbado e espancava a mulher. Por que essas pessoas eram melhores que ele, pergunto?
Nosso amigo pensou e resolveu gritar ao mundo:
“Sou indecente, imoral, sou tudo isso
Apesar de tudo meu amor sempre foi maior!”
Ele sempre acreditou na força de seus sentimentos, cultivou a alegria, sorriu quando a vontade era de chorar. Perdoou as injustiças. Sua consciência era limpa.
Quando foi “solto” daquela prisão, voltou para casa e sentiu uma vontade imensa de falar com seus opressores. Trocou-se e foi ao julgamento que estava ocorrendo, foi “‘a prisão”, avistou seu promotor e o juiz. Estendeu-lhes a mão e disse:
‘ Quando cada um for capaz de entende e aceitar seu próprio EU, não haverá grades que nos limitem. Libertem-se de uma prisão que é a pior do que aqueles que vivem no cárcere: a prisão do preconceito. Aí, verão que mesmo quando o corpo está livre, a alma encontra-se reclusa”
Saiu vagarosamente, em direção ao mundo, quando este já nem lembrava que fora réu um dia, pois as pessoas julgam e se esquecem de seus atos.

1990

Fernanda Pietra
Fernanda Pietragalla
Enviado por Fernanda Pietragalla em 31/01/2005
Código do texto: T3045

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernanda Pietra www.fernandapietra.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Fernanda Pietragalla
São Paulo - São Paulo - Brasil, 48 anos
126 textos (24225 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/09/16 21:18)
Fernanda Pietragalla

Site do Escritor