Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Irmã Mais Nova

A Verdade
Não adianta, eu estou tendo que encarar a verdade...
Noite comum, nada de especial, tédio, então lá vou eu encher o saco da minha irmã.
Em meio brincadeiras, tapas e um esbarrão aqui outro ali, ouço o inevitável "Aí, ô! Meus peitos!".
Como assim, meus peitos!? Você tem isso??? Claro que não, você é minha irmã, você não pode ter peitos!
E então eu acordei, não adiantava, teria eu que encarar a verdade!? Bem, mais cedo ou mais tarde isso iria vir, mas foi mais cedo do que eu esperava!
Lembrei de um comentário da minha mãe, quando ela vê a minha irmã de longe, eu nunca prestei atenção e nem ligava, mas ficou na memória "Olha sua irmã! Tá linda, né!? Tá virando mocinha!".
Mocinha!? Porra! Nem idade pra isso ela tem! Qual o problema hoje em dia, hein!?
Não adiantava, quanto mais eu reclamava, mais eu via a verdade, era mais do que inevitável, se é que dá para ser!
Eu paro a brincadeira, cabisbaixo, penso comigo mesmo: "Onde foi que eu errei!?".
Mas eu não errei em nada, eu criei um monstro!
Eu!? Claro que não, eles se criam sozinhos! Esses bichos chamados 'mocinhas'. É nas escolas, são as amigas, elas aprendem lá... eu sabia que não devia confiar nessas pilantras!
Não conseguia entender o lado das minhas amigas do ginásio, até o problema estar em casa.
Por que as meninas sempre que iam fazer educação física usavam três, quatro blusas!? Claro, todos sabemos as respostas, esses muleques pervertidos, viu!? Mas ouvir, debaixo do seu teto, a frase "Aí! Correr dói!".
Como dói!? Nunca doeu, não vai doer agora, ué!
Mas não, doía mesmo... foi então que eu entendi a timidez das minhas amigas do passado, foi então que eu entendi os irmãos de minhas namoradas (leia-se EXs!), foi então que eu dei de cara com o muro do crescimento e percebi, que não tinha como evitar, era fatal!
Talvez assim eu aceite e entenda melhor o que se passa no lado feminino...
Talvez eu desista e aprendo de uma vez por todas que tô fudido!
Talvez eu atenda sempre o telefone e a próxima vez que ouvir que o tal de Rafael tá procurando ela, dou uma comida de rabo nele!
Talvez eu grampeie o telefone e fico na cola dela... afinal, tá na moda grampeios! Ou é crime!?
Victor Frog
Enviado por Victor Frog em 16/07/2005
Código do texto: T34708
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Victor Frog
São Paulo - São Paulo - Brasil
6 textos (3146 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 31/10/14 15:13)
Victor Frog



Rádio Poética