Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sísifo Grego, Sísifo Meu

Num tempo em que na Grécia não havia crises, só mitos  - e guerras, talvez – contam que viveu um Sísifo tal. Ele, tendo feito algo desagradável aos olhos dos deuses do Olimpo, foi condenado a passar a vida numa montanha levando uma pedra do pé ao topo sem jamais atingir o objetivo, pois a pedra, uma vez no cimo, rolava de cima abaixo e lá ia Sísifo fazer tudo outra vez. Já eu penso que nos primeiros anos da pena os deuses até se divertiam, pois viam-no jogar-se ao chão e bater pernas de tanta ira, até que um dia ele resolveu pensar: já que a pedra ia rolar de qualquer jeito, melhor era encontrar formas de se distrair durante o caminho. E foi assim que na segunda, enquanto rolava a pedra grande, ia catando as pequeninas que lhe chamavam a atenção. Encontrou ametista, ágata, rubi e até diamante, vez ou outra achava até metal, um pouquinho de ouro aqui, outro acolá. Foi colecionando. Na terça, rolava a pedra em espiral, na quarta, em linha reta, na quinta, em zigue-zague, na sexta, ao invés de empurrar ia puxando, no sábado, usava variações e no domingo, ao final de cada turno, fazia longas pausas pra ficar olhando a paisagem e se inspirar. Na próxima semana, tudo invertido ou intercalado. E ele foi ficando tão criativo que chegou a um ponto em que os deuses começaram a fazer apostas do que ele ainda poderia inventar. Com o tempo, porém, notando que ao final do trabalho Sísifo divertia-se muito vendo a pedra cair, os deuses foram perdendo o interesse em observá-lo e decidiram que já era tempo de romper aquele ciclo infernal. E ele, embora felicíssimo com a libertação, não deixou a montanha. Tendo-se tornado especialista na região, resolveu ganhar a vida como guia de turistas que pagavam muito bem pra fazer montanhismo, trilha ou outro (dito) esporte radical. E vinha gente de todo o mundo só pra fazer isso. Acho que esse Sísifo (o meu, não o grego) morreu velhinho, saudável, feliz e rico, ainda por cima fazendo o que gostava, sem sentir o tempo passar. Críticos ou céticos de seus métodos pouco lhe importavam, mais valeu o aprendido nos caminhos do que a pedra em seu lugar. Aliás, ao final de todo o ciclo ficou a pedra no meio do caminho, servindo de inspiração a poetas e outros meros mortais.


---------------------------------------------------------------------
Não sigo o novo acordo ortográfico em Língua Portuguesa. Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 01/04/2012
Reeditado em 01/04/2012
Código do texto: T3588713
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36218 leituras)
47 áudios (2337 audições)
45 e-livros (1937 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/11/17 08:03)
Helena Frenzel