Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NOMES E SOBRENOMES

Um dia desses eu tentava passar um fax para um dos nossos jornais da área da Nova Inglaterra (USA) e não estava tendo sucesso, resolvi telefonar para a redação do jornal e perguntar se havia algum problema com a linha do fax. Quem me atendeu tinha uma voz jovem e muito cortês e, no meio da conversa, pediu para eu me identificar. De pronto, disse o meu nome. Senti uma coisa no ar. Meu interlocutor ficou atônito e me disse que era impossível eu ter um nome desse e foi logo perguntando se eu era japonês. Eu lhe afirmei que não. Disse-lhe, orgulhosamente, que eu era brasileiro da melhor estirpe, bem misturado como manda a receita da terrinha: português com negro com espanhol e com índio. Expliquei-lhe que o meu sobrenome materno era de origem indígena, muito comum pros lados de lá da Bahia. Ele ficou mudo do outro lado, escutando tudo e enquanto isso o meu fax foi transmitido. Nos despedimos gentilmente.

Não tive tempo de explicar para o meu interlocutor que o nome que ele pensava que era japonês, como define o velho Aurélio, vem do tupi "tanayu'ra", designação comum às fêmeas ou rainha dos insetos
himenópteros, da família dos formicídeos, que perdem as asas após o vôo nupcial, indo formar novos formigueiros. Elas levam consigo pequenas parcelas de cogumelos a fim de darem início à nova cultura. É também conhecida como içá, a formiga mestra. Não sei se ele conhecia esta acepção da palavra ou simplesmente só conhecia o significado popular que também o Aurélio define como "pessoa de nádegas bem desenvolvidas", que particularmente não é o meu caso.

Isto me botou pra pensar nos Bezerra, Barata, Cavalo, Pinto, Camarão, Formiga e Carneiro; nos Pinheiro, Laranjeira, Carvalho, Parreira,
Oliveira e Mangabeira; nos Machado, Monte, Cruz, Bandeira, Varanda ou Varandas, Matos, Oceano, Pimenta, Lima, Chaves, Reis, Costa, Nobre e Santos; nos Lisboa, Bahia, Brasil, França, Holanda e outros tantos sobrenomes que são passados de pais para filhos, de avós para netos e bisnetos, características e identidade de uma família que é a sua marca registrada e que, felizmente, por  lei não se pode mudar.

Em qualquer lugar do mundo, o sobrenome, os pais, o sexo, o país onde se nasce e os padrinhos de batismo não são escolha do indivíduo e, por lei, não se pode mudar, exceto, no caso de sobrenome, para a mulher por ocasião do casamento ou divórcio, e, em raríssimas excessões, no caso de mudança de sexo. Já o nome, prenome ou antenome, se ele for exótico ou ridículo, se causar constrangimento ou for causa de problemas por homonímia, as leis são mais flexíveis.

O anedotário está cheio de nomes exóticos por loucura e ignorância dos pais ou, simplesmente, pela combinação dos nomes dos genitores.  Para citar alguns casos, temos os clássicos Um Dois Três de Oliveira Quatro; Jesus Cai da Cruz; quatro irmãos chamados Prólogo, Abertura, Epílogo e Errata; duas irmãs chamadas Vicentina e Vilatrina. Temos nomes como Hiena, Analise (de análise), London, Leide Laura (de Lady Laura, conhecida canção de Roberto Carlos), Merijane (de Mary Jane), Novalgina, Coramina, Cherlock, Dinálio (filho de Dina e Virgílio), os irmãos Helenocrates e Socrelena (filhos de Sócrates com Helena), Prodamor Conjugal de Marimel (produto do amor do casamento de Mário e Amélia), Alcione (filha de Alcides com Ivone), Catacisco e Ciscorina (filhos de Catarina com Francisco), Ordep (Pedro ao contrário) e outros tantos nomes esdrúxulos.

Para terminar, conto uma história dos idos 50 de um homem chamado Getúlio Diarréia. Conta-se que o cidadão era alvo de troças constantes e resolveu apelar para o Presidente da República a fim de poder mudar de nome.

O então presidente Getúlio Vargas, assim que ouviu o seu nome completo concordou plenamente com o apelo e prometeu abrir uma excessão, permitindo ao indivíduo que ele trocasse de nome. Em seguida lhe perguntou como gostaria de se chamar.

- Qualquer outro nome, senhor presidente. Podem me chamar de Pedro, José, ou Manoel Diarréia, o que eu não suporto mais é esse nome Getúlio.


(in Revista Ponto de Encontro
Newark/NJ EUA - Dezembro 1994)
Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 23/07/2005
Reeditado em 03/03/2016
Código do texto: T37075
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Tanajura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1467 textos (154808 leituras)
1 e-livros (154 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:02)
Fernando Tanajura