Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AS LETRAS DOCES FUGIRAM

A mentira vicia. Parece mentira, mas não é. Uma semente é plantada na alma ou no coração ou na mente de quem mente e então, se mente cada vez mais. Até para encobrir uma mentira, outras são criadas e maquiadas e sempre, sem exceção, causam estrago. Não existe essa história de mentira limpa. É tudo mentira!

A vida é tão complicada (mentira! não é não!) e ainda existe a mentira para complicar um pouco mais. E a mentira quer se tornar verdade, então nasce, cresce e não dá sinais de que morre sozinha. Quando a mentira aparece para ocultar ou evitar a dor a intenção é proteger, mas não protege. Só desprepara e desarma. Tira a chance de vermos onde estão nossos limites. Diminui o auto-respeito e o nosso respeito pelo mentiroso. A mentira tira a capacidade de avaliar a situação e não nos dá a mínima opção. E, infelizmente, quando pegamos a mentira pelo rabo, perdemos o que nos resta de bom no coração. É simplesmente triste...

A mentira é a principal causa da morte da diversão, além é claro, de deixar um gosto ruim na boca. Ela chega e as pessoas se afastam.

Com a mentira livre da coleira, a vingança abre um olho. Observa de cima todo o terreno e se certifica de que é seguro entrar em ação. Manipula palavras. Monitora ações conscientes enquanto o resultado (ilusório) é calculado pelo inconsciente. Sorrateira ou alardeada, a vingança toma forma e aí já é tarde demais para voltar atrás porque ela trás um fardo que incluir mais algumas mentiras.

O sabor da vingança (apreciada fria ou não) é doce, mas vai ficando amargo quando começa a digestão. Ela faz a dor passar, mas cria outra ainda mais forte, difícil de lidar. Ela não trás alívio e, na maioria das vezes, é ridícula, sem sentido até. É patética... Mostra o quanto somos humanos e suscetíveis aos mesmos erros de sempre.

Se a mentira causa a morte da auto estima, a vingança a ressuscita com aparelhos, mas é apenas um paliativo. Ela trás euforia e um sentimento de poder para logo em seguida deixar a vida completamente sem graça. A vingança nos faz adoecer.

E o ser humano segue assim, compulsivo e destrutivo, entregue à mentira e a conseqüente vingança. A mentira, que tira do caminho o desentendimento eminente e a vingança que vem logo atrás, plantam uma flor de cheiro ruim bem no meio da sala e deixam a gente vivendo pela metade.


"When a man lies, he murders some part of the world
These are the pale deaths which men miscall their lives
All this I cannot bear to witness any longer
Cannot the kingdom of salvation take me home?"
(Cliff Burton)
Rafael Zanette
Enviado por Rafael Zanette em 09/08/2005
Código do texto: T41447

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rafael Zanette
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
52 textos (3630 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:41)
Rafael Zanette