Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os Labirintos

A última coisa que lembro antes de acordar nesse quarto de hospital, é que estava lendo umas poesias de Ricardo Reis. Lembro-me exatamente da última:

"Sê o dono de ti/sem fechares os olhos.
Na dura mão aperta/Com um tacto apertado/O mundo exterior/Contra a palma sentindo/Outra coisa que a palma"

Estava em meu quarto, sentindo-me muito bem, e como estivesse mais voltada para poemas, selecionei o livro de Ricardo, que há algum tempo não lia. Sim, confesso que foi como se tivesse tomado uma taça a mais de vinho, e, certamente, devo ter adormecido. Digo que percorri estranhos labirintos. Em cada um havia uma espécie de quadro descritivo afixado à entrada, mas não conseguia decifrar. Eram códigos.

No primeiro labirinto, me vi muito jovem, cerca de quinze anos, namorando aquele que, nessa fase, na vida real fora apaixonado por mim, e eu o vivia rejeitando. No referido labirinto, eu, feliz, preparava meu enxoval para aos quinze anos casar-me com ele, vestida de noiva, na igreja, e aos dezoito, ter um casal de gêmeos, como minha avó. Que bela visão.

No segundo labirinto, eu já adulta, era uma jornalista e trabalhava num jornal de grande circulação, como correspondente na Europa. Parecia realizada profissionalmente. Estava me deliciando com a visão, quando fui transportada ao Egito, e com papai, percorria as pirâmides e explicava a ele, com detalhes tudo que havia aprendido na Ordem Rosa Cruz sobre os faraós. Enfatizava o período de Akenaton. Quantas surpresas os labirintos proporcionavam.

Subitamente, sou arrastada para outro labirinto, e me vejo solteira, mas com uma filha de cinco anos, chamada Yasmin. Como eu estava feliz ajeitando os cachos de seus cabelos.

Não permaneci mais que dois minutos e fui empurrada para outro labirinto, onde estava prestes a ser avó dos filhos dos gêmeos que tive aos dezoito anos com o namorado do primeiro labirinto, um oficial da marinha.

Foi brusco o movimento que me levou ao mais estranho dos labirintos. Um ser etéreo me conduziu a uma espécie de tela onde eu veria parte de minhas existências e talvez compreendesse os intrincados processos da vida atual. Vi-me então em remotas eras. Na India Védica, no antigo Egito, vagando pelo deserto com o povo hebreu, consultando a Pitonisa do EnDor, queimada pela Santa Inquisição por ter sido julgada bruxa, e muito harmonizada na forma de um monge budista. Vi - Sócrates, Buda, Jesus, que deixam suas mensagens, como os grandes revolucionários que nunca pegaram em armas.

Novamente sou puxada bruscamente. O ser etéreo diz que já vi o suficiente e que nem tudo poderei narrar. Faço uma promessa que cumpro nesse momento, omitindo várias passagens. Tento abraçá-lo, esquecendo que não é tangível. Na verdade, percorri mais de vinte labirintos, não me recordo em detalhes de todos eles, mas sinto que me foram mostradas todas as opções de vida que tive. Como saber se as escolhas foram acertadas? Talvez aí esteja o problema. Eu não queria acordar, analisar, pois nada poderia ser modificado. Simplesmente usara o livre-arbítrio e nada havia a ser lamentado.

Quando completei vinte e quatro horas adormecida, houve pânico e me conduziram a um hospital de inteira confiança, soube posteriormente desse detalhe.

Na verdade, foram quarenta e oito horas de sono profundo, sem que nada fosse detectado de anormal. Dizem apenas que eu sorria muito.

Ao acordar, estava calma, apenas surpresa por me encontrar naquele ambiente. Aos poucos, fui reconhecendo as pessoas. Muito bem orientada no tempo e no espaço.

De todas as visões, uma emocionou-me de forma indelével: Yasmin. Nunca a havia visto assim. Imaginava, mas, ter visto foi totalmente diferente. Trouxe o cheirinho que estava naqueles cachos dourados, e consegui gravar em minh'alma o som doce de seus risinhos.

Serviram-me uma sopa, seguida por gelatina de morango, e a alta foi dada. Então , chorei. Não lastimei as escolhas, mas senti muita saudade da filha que não veio.



belvedere
Enviado por belvedere em 11/09/2005
Reeditado em 06/01/2016
Código do texto: T49520
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73243 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:10)
belvedere

Site do Escritor