Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Outono à beira do Tejo



 

Tardinha calma e serena.
À beira do cais vejo o sol mergulhar as suas brasas nas águas escuras do rio.
Uma campainha toca, um barco atraca. Põem uma prancha e a gente passa, rotina do dia-a-dia. Gente que vai e vem correndo, sem ver mais nada a não ser ao longe onde esperará a camioneta.
Sobre o rio, as gaivotas mergulham e fazem ninhos das ondas, ninhos verdes e frios onde só peixes nascem.
A noite desce e as luzes acendem-se. Caminho à toa, aos empurrões dos outros e dando empurrões também...
Para quê? Não tenho pressa nenhuma...
- Desculpe!
- Ãh?! Ah, não faz mal!
Lá vai apressada, os livros debaixo do braço, a bata branca esvoaçando à aragem fresca que, agora, se faz sentir.
Tenho frio. O vento sopra mais forte. Já escureceu por completo.
Para cá e para lá, caminho rente à água, continuo a divagar, a ver o que me rodeia, sobretudo a pensar.
- Quentes e boas!
O grito de guerra do homem das castanhas. Veio mesmo a calhar!
Aproximo-me dele, que tira da "bruxa" uma porção de coraçõeszinhos castanho-negros, fumegantes. Pago e vou-me embora. O calor das castanhas sabe-me bem nas mãos enregeladas.
Continuo a caminhar, agora também eu apressada, em busca de um autocarro vazio. Entro e sento-me. Olho lá para fora. Os vultos continuam a girar, indefinidos, silenciosos.
O nevoeiro cobre a outra margem e céu e rio confundem-se numa nuvem espessa que, onde mais além, a ponte se apercebe num tracejado de luzes.
Gotas de chuva batem, ralas, no vidro a meu lado.
Um cauteleiro passa, de gola levantada e boné enfiado até às orelhas.
- Olha a Lotaria! Olha a Taluda d'Ótonu!
Mais gente entra no carro, que arranca lentamente, subindo a avenida.
Dos lados, as árvores já estão quase despidas.
As pessoas, de impermeáveis e chapéus de chuva, passam depressa, pisando e chutando montes de folhas secas que se misturam com a água que corre pelas bermas.
Embalada pelo tremor que geme e guincha, encolhida no meu canto, uma moleza me invade.
De vez em quando a cabeça cai-me para a frente. Levanto-a e arregalo os olhos, pesados de tristeza e sono.

 

Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 17/09/2005
Código do texto: T51257
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Petronilho
Almada - Setúbal - Portugal, 64 anos
1238 textos (130535 leituras)
60 áudios (14347 audições)
9 e-livros (5156 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:54)
Maria Petronilho

Site do Escritor