Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um caseiro empreendedor

Um caseiro empreendedor
maria da graça almeida

Não sei se por vingança, ou desgosto, hoje amanheci com vontade de tornar pública a genialidade do meu caseiro.
Talvez, a primeira hipótese seja a verdadeira, uma vez que ele,
dormindo tranqüilamente, não ouviu o alvoroço dos cachorros,
quando os ladrões entraram na chácara e levaram-me todos
os aparelhos que proporcionavam o lazer e a comodidade familiar.

Chegado o Natal, resolvemos presenteá-lo com uma televisão colorida e grande, para fazer-lhe as noites maiores e mais agradáveis.
E tudo o que conseguimos foi o aborrecimento de um funcionário
que logo ao amanhecer postava-se diante dela,
enquanto a tiririca pululava sobre o gramado infeliz.
Se apenas isso não bastasse, num dos fins de semana,
tão logo desci do carro, lá veio ele correndo a gabar-se da grande façanha:
- Troquei a televisão!
Virei-me surpresa, mas confesso que senti um certo alívio:
- Trocou?
- Negocião! Dei a televisão e mais nada e peguei um par de "faror de mia!”
- Farol de milha?- balbuciei perplexa - Você nem sequer tem bicicleta!
- É, mas não podia perder a ocasião. O "faror" é dos "bão"! "Quaji" novo!
Não disse eu mais nada e entrei em casa, nem sei se com pena ou raiva do pobre diabo.

No ano seguinte, nascia-lhe a filha e ele andava alucinado por uma máquina fotográfica.
Resolvi dar-lhe a mãozinha! Procurei uma que fosse de revelação instantânea.
Com isso poderia garantir-lhe a satisfação imediata, apesar de saber o filme bem mais caro do que os comuns, no entanto, como eu mesma os compraria...
Quando da entrega do presente, fiquei feliz com a alegria do homem.
Valeu a pena! – constatei, imediatamente-·
Expliquei-lhe direitinho, com muita paciência, como deveria usá-la e ele saiu eufórico para mostrar o presente à mulher.
No final da tarde, começando a escurecer, Juvenal - é o homem -desceu até minha casa já com as fotos às mãos.
Pensei avistar a família ali retratada, ou, pelo menos em várias poses, a caçula e tudo o que vi: cadeira, mesa, chaleira, porta fechada.
Ainda tentei olhá-las sob diferentes ângulos para, quem sabe, descobrir algum talento adormecido, ou reconhecer do homem o desejo inconsciente de ver algo além do nada...Mas, nada... Só o que vi mesmo: mesa, cadeira, chaleira e porta que se aberta, ainda teria eu a oportunidade de divagar, definindo-a como uma forma de ampliar o horizonte.
Passada a surpresa, meio sem graça, devolvi-lhe o produto da inabilidade, recomendando:
- Da próxima vez, fotografe a família...- com isso pensei estar encerrando o caso máquina.
Engano!

Num outro final de semana, ao chegar, lá vem ele de novo, rapidamente:
- Não tenho mais a máquina!
Ainda dentro do carro , perguntei-lhe:
- O que foi feito dela?
- Troquei! Negocião!
Desci desanimada:
- Desta vez, qual foi?
Sem responder, saiu correndo e voltou ofegante, com um controle remoto à mão.
Suspirei aliviada! Para eles, melhor uma televisão do que a máquina para fotografar portas e pés de mesa, ainda que prejudicadas as tarefas diárias.
Examinei o controle e ao devolver, perguntei-lhe:
-É boa a televisão?
-Não sei! Só tenho o controle!
- Como? E a televisão?- perguntei-lhe visivelmente irritada-
- Acha que “dava” pra trocar a máquina de retrato por uma televisão e mais um controle novinho feito "esse"?



maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 20/09/2005
Código do texto: T51994
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
248 textos (14811 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:30)
maria da graça almeida