Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Grande Hotel



Neyla nunca deixava de passar parte de suas férias na casa da tia Eraide. Todos perguntavam a razão de sentir-se tão bem ali. Era uma casa pobre, na serra, sem nenhum conforto.
 
Dormiam todos em um mesmo quarto. Eram sete pessoas. Segundo ela, ali existia um clima delicioso. E saía de seu conforto de adolescente, deixava de ir às festinhas, à praia, para curtir aquela família pobre, mas certamente calorosa. Nos finais de semana, tia Eraide fazia sempre uma deliciosa papa de milho, ou cocadas. Era uma festa!
 
Quando falávamos sobre a comida da casa, Neyla dizia adorar o arroz com feijão e ovo do almoço e as laranjas da sobremesa. A groselha servida no lanche a encantava pela beleza da cor e pelo sabor adocicado... nem se lembrava de guaraná e coca-cola!
 
Naquela casa vivia uma prima à qual era muito apegada, apesar da diferença de idade. Claudinha era o nome dela. Alegre, já em fase de namoro, pois a diferença entre ambas era de doze anos, colecionava a revista Grande Hotel. Neyla deliciava-se com as histórias que lia. Que mundo maravilhoso era mostrado — romances com beijos calorosos, amores proibidos... Quanta emoção!
 
Sabemos que o tempo voa...
 
Há exatamente três dias, Neyla foi à casa de Claudinha, hoje com 76 anos. Era a comemoração do aniversário de um de seus netos. Lá chegando, entregou a ela um pacote. Ao abrir, a surpresa: uma edição da revista Grande Hotel que Neyla havia adquirido em uma feira de antigüidades há poucas semanas. Era da década de cinqüenta.
 
A emoção de Claudinha foi tão grande que começou a chorar. As imagens de tantos anos atrás vinham a sua mente: tanta pobreza e dificuldades que através daquela revista ela conseguiu amenizar! Sonhava sonhos de amores correspondidos, de romances com final sempre feliz... e beijos, beijos que nunca tinham fim!
 
O aniversariante não foi o grande personagem da noite. Como pensar que uma revista adquirida em uma feira de antigüidades pudesse virar a grande atração em uma festa repleta de jovens? Eles desligaram o som, pararam suas conversas e sentaram-se no chão para ouvir as histórias que Claudinha tão bem narrava... foi um sucessivo e interminável relembrar de fatos. Lágrimas, risos, saudades...
 
Neyla saiu feliz por ter proporcionado um flash-back tão significativo... E riu, lembrando o quanto pagara pela revista: cinco reais!
 
“Realmente dinheiro não é nada”, dizia a si mesma.
 
Quase chegou a encomendar um artesanato que lhe custaria cento e vinte reais! Que efeito teria o artesanato sobre as emoções? Uma inutilidade! Um presente barato trouxera à tona as mais profundas e comovidas lembranças. “Isso não há dinheiro que pague”, pensou.
 
Rumando para casa, ainda lembrava os antigos romances que lia na revista. Sentindo-se, no fundo, vazia de sonhos, perguntou-se por onde andariam os velhos exemplares da revista. Gostaria de adquiri-los. E sonhar, sonhar, sonhar!






belvedere
Enviado por belvedere em 23/09/2005
Código do texto: T52975

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73246 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 14:38)
belvedere

Site do Escritor