Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Me ajuda que tá caindo

Esta é uma história real, ocorrida há quase que trinta anos e se o tempo decorrido me  permite contá-la hoje, em seus mínimos detalhes,  já que integra as lembranças de um tempo que passou e que deixou saudades; por questão de ofício, não posso identificar  seu personagem principal,  este bom amigo, notório sindicalista, ex-candidato a deputado e um dos fundadores do PMDB,  ora ocupando importante cargo em Brasília, como assessor de um respeitável  Senador.

Tudo começou quando esse amigo resolveu mudar-se para o Rio de Janeiro, em busca de melhores oportunidades profissionais  e, em tempo de dureza para todos nós, permiti que ocupasse parte do quarto que alugara,  na Tijuca.

A casa de Dona Linda, uma respeitável senhora de quase que 80 anos, era um sobradinho de dois andares, geminado com outros seis de cada lado,  localizado em uma daquelas típicas vilas tijucanas, com árvores ao centro e onde a vida transcorre calma, serena, bucólicamente.

A casa,  bem antiga mas bem cuidada,  era entulhada por móveis antigos, pesadões, cristaleras que dificultavam o acesso aos dois quartos localizados no andar superior, um que ocupávamos e, contíguo, o outro quarto, alugado por duas moças, uma delas lindíssima, cujo corpo escultural todas as noites admirávamos, como “voyeurs”,  pelos buracos que fazíamos na porta de madeira que os separavam.

Em uma tarde de domingo,  estava cochilando após o almoço e descansando de uma manhã de praia, quando, no que julguei ser um sonho, em meio ao som de móveis caindo, vidros quebrando, passos atropelados soando forte na escada de madeira,  ouvi gritos distantes, uivos de dor:

- Socorro, Henrique. Me ajuda que tá caindo!
- Socorro, Henrique. Me ajuda que tá caindo!

Bastante  sobressaltado, ainda  meio que dormindo, eis que o nosso amigo adentra pelo quarto, arrombando a porta e jogando-se pelado e de pernas abertas sobre  sua cama,  abanando-se com uma providencial  revista , ainda gritando:

- Me ajuda, Henrique, me ajuda que tá caindo!

E eu, apavorado e sem saber o que estava acontecendo e até mesmo como ajudá-lo,  julguei até que algum vizinho houvesse castrado nosso bom amigo, talvez pego em flagrante pelado em sua casa, com aquele físico de atleta de Biafra e carente de sol (bem diferente dos tempos atuais):

- Pô, cara, calma!  Conta o que houve...

E, já mais aliviado em seu desespero, ainda abanando-se com a revista e chorando de dor,  contou-me que, em suas incursões sexuais,  havia pego “chato” (para quem não sabe, "chato" é um carrapato que insiste em se alojar nos pelos pubianos) e que lhe haviam receitado Lisoform, santo remédio,  contudo sem avisar-lhe que nunca deveria ser usado puro, mas sim diluídas algumas gotas em alguns litros d’água.

E  nosso amigo, após depilar-se e tomar banho, a fim de se livrar de uma vez por todas do problema que o afligia, derramou todo o vidro de Lisoform em suas partes infestadas, o que causou todo o rebu e uma conta a mais para pagar, pelos móveis e vidros quebrados.

Se hoje torno pública esta história, mesmo que preservando integralmente sua identidade, o faço por vingança, reconheço,  pelas inúmeras noites que perdi de sono, acordando de madrugada e não mais conseguindo dormir, morrendo de rir  a  cada vez que o via deitado em sua cama,  dormindo,  já aliviado de seus “chatos”.
LHMignone
Enviado por LHMignone em 24/09/2005
Reeditado em 31/10/2016
Código do texto: T53423
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
LHMignone
Mimoso do Sul - Espírito Santo - Brasil
1319 textos (201522 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:41)
LHMignone